“Política pública que não apresenta resultados é só discurso”, por Yeda Crusius

Artigos - 04/11/2019

No momento em que a Executiva Nacional do PSDB deflagra debates para redesenhar a imagem do partido, através da realização de Congresso Partidário em dezembro, fazendo um chamamento a seus 1,4 milhão de filiados, nós estamos chamando mulheres para elaborar uma Carta Programática sintonizada com a pauta da sociedade brasileira dos dias de hoje. As grandes manifestações de rua desde 2013 escancararam as demandas deste século 21, que em muito diferem das demandas do século 20, o século das guerras.

Queremos garantir o engajamento do partido a favor de pautas gerais, como políticas públicas para garantir um crescimento sustentável com redução das desigualdades, da pobreza, e da violência. Mas também avançar no apoio a questões pontuais, como a da liberação do uso medicinal da ‘cannabis’, como vem fazendo a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) no Congresso Nacional. Com ações práticas. Hannah Arendt já afirmava que política sem ação não é política. E nós afirmamos que políticas públicas de enfrentamento da violência, da pobreza e da desigualdade que não geram resultados são só discurso.

Populismo que sai caro, pois adia o futuro com a realização de déficits nas contas públicas, falta de investimentos, e dívidas impagáveis, com isso colhendo vergonhosas posições nos rankings latino-americanos e mundiais de indicadores sociais básicos.

Nós, mulheres que fazemos política, temos a responsabilidade de incentivar as jovens a fazerem política para, juntas, propormos políticas públicas que gerem resultados, como esses reconhecidos pelo Prêmio Nobel de Economia.

Até o próximo dia 12 de novembro, o PSDB-Mulher apresentará sua Carta Programática para o novo programa partidário do PSDB, escrita por mulheres que já fizeram, e por outras que querem fazer do nosso país um país menos violento, mais justo e desenvolvido.

A agenda da redução das desigualdades, do enfrentamento da pobreza e da violência depende da construção de parcerias e do uso responsável e eficiente do dinheiro público. Foi dessa forma que consegui, como governadora do Rio Grande do Sul, zerar em 2 anos um déficit que se arrastava há 40 anos. E assim, melhorar todos os indicadores sociais do estado entre 2007 e 2010, prova do acerto em mirar o equilíbrio das finanças públicas como instrumento para o desenvolvimento sustentável.

Resultados são frutos de investimentos corretos, intermediados pela boa política. Por isso, o PSDB-Mulher há muitos anos optou por investir na capacitação de novas lideranças, a exemplo do que mais recentemente alguns movimentos independentes vêm fazendo, como o Renova e o Agora.

Em 2018, colhemos os frutos do nosso trabalho ao elegermos a maior bancada feminina da Câmara, dentre todos os partidos, com 9 deputadas federais e uma senadora, Mara Gabrilli, que vem avançando na pauta social de modo estimulante. Somos poucas ainda nos espaços de poder, mas com essa estratégia que trouxe resultados em 2018, esperamos aumentar no próximo ano o número de vereadoras, prefeitas e vice-prefeitas eleitas –para elas serem portadoras da política tão desejada por nossos cidadãos.

Concordamos com a nova diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, que a primeira reunião semestral da assembleia do FMI, defendeu que as cotas femininas são necessárias para acelerar o fim desse desequilíbrio entre homens e mulheres. Georgieva citou levantamentos do FMI que atestam que as empresas são mais lucrativas com mais mulheres no comando, e governos menos corruptos com a participação de mais mulheres na administração.

Estou certa de que as mulheres estão prontas para ajudar a mudar a realidade do país e da política brasileira. Vamos à ação. É hora de apresentarmos resultados!

(*) Presidente nacional do PSDB-Mulher, foi governadora do Rio Grande do Sul, deputada federal e ministra do Planejamento

Artigo publicado no site Poder 360


X
04/11/2019
Charges