Aumenta o número de serviços de referência que atendem a casos de violência sexual no RS

Notícias - 08/03/2019

A Secretaria da Saúde (SES) do governo do Rio Grande do Sul anuncia no Dia Internacional da Mulher que quatro novos serviços destinados ao atendimento de mulheres vítimas da violência sexual entraram em funcionamento no último ano. Até março de 2018 eram 17 instituições de saúde, hoje o Rio Grande do Sul conta com 21 serviços.

Foram integrados à rede o Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Júnior, de Rio Grande, o Hospital Comunitário Nonoai, o Pronto Atendimento 24h de Gravataí e o Hospital de Caridade e Beneficência de Cachoeira do Sul.

A coordenadora da Política de Saúde da Mulher da SES, Nadiane Lemos, alerta que os serviços hospitalares devem fazer o atendimento de emergência em casos de violência sexual. “A diferença é que esses 21 serviços são referência em atendimento integrado das situações de violência”.

Segundo Nadiane, a equipe é multidisciplinar e qualificada para trabalhar com outros pontos da rede que formam a linha de cuidados, como as unidades básicas de saúde e a Estratégia de Saúde da Família (ESF), os centros de especialidades e os ambulatórios.

A coordenadora diz que a expansão dos serviços se dá pela necessidade de ter o acesso qualificado e mais próximo das usuárias. “Os serviços existem não só para atendimento pontual, como para ser parte da rede de enfrentamento à violência. Não queremos só atender, queremos prevenir”, salienta.

Em 2018, foram notificados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no Rio Grande do Sul, 19.482 casos de violência contra as mulheres. A especialista em Saúde da Mulher da SES, Maura Belomé da Silva, diz que a faixa etária de mulheres entre 20 e 59 anos tem maior número de registro de casos.

Maura informa que foram registrados, nesta faixa, 11.467 casos, o equivalente a 58,86% do total. Em segundo lugar ficou a faixa etária de 10 a 19 anos, com 4.620 casos, o que significa 23,71% do total de violações.

A especialista considera que esses números justificam a necessidade da estruturação dos serviços em rede. “O atendimento deve ser humanizado, com acolhimento que respeite os princípios da dignidade da pessoa, sem discriminação e com privacidade”, afirma.

Serviços de Referência para Atenção Integral às Pessoas em Situação de Violência Sexual

  1. Santa Casa de Alegrete – Alegrete
  2. Hospital Universitário – Canoas*
  3. Hospital Geral de Caxias do Sul – Caxias do Sul*
  4. Hospital Santa Terezinha – Erechim
  5. Hospital Beneficente São Pedro – Garibaldi
  6. Hospital Bruno Born – Lajeado
  7. Hospital São Vicente de Paulo – Passo Fundo
  8. Hospital de Clínicas de Porto Alegre – Porto Alegre*
  9. Hospital Fêmina – Porto Alegre*
  10. Hospital Materno Infantil Presidente Vargas – Porto Alegre*
  11. Hospital Nossa Senhora da Conceição – Porto Alegre*
  12. Hospital Universitário de Santa Maria – Santa Maria
  13. Santa Casa de Misericórdia de Sant’ana do Livramento – Livramento
  14. Hospital Centenário – São Leopoldo
  15. Santa Casa de Misericórdia de São Lourenço do Sul – São Lourenço do Sul
  16. Hospital São Sebastião Mártir – Venâncio Aires
  17. Santa Casa de Caridade de Uruguaiana – Uruguaiana
  18. Hospital de Caridade e Beneficência – Cachoeira do Sul
  19. Pronto Atendimento 24h – Gravataí
  20. Hospital Comunitário – Nonoai
  21. Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Correa Júnior – Rio Grande

*Serviços de referência para interrupção da gravidez nos casos previstos em lei (aborto legal).

Da Ascom SES do Governo do Rio Grande do Sul


X
08/03/2019
Charges