Comissão presidida por tucana discutirá adesão da Bolívia ao Mercosul

Bolívia é peça relevante para integração dos países da América do Sul, diz deputada paulista

Notícias - 05/09/2017
Deputada Bruna Furlan (PSDB-SP) comanda a Comissão de Relações ExterioresFoto: Divulgação

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, 5, requerimento de sua presidente, Bruna Furlan (PSDB-SP), para discutir em audiência pública o Protocolo de Adesão do Estado Plurinacional da Bolívia ao Mercosul, em conjunto com a Representação Brasileira no PARLASUL e representantes dos ministérios das Relações Exteriores, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, acadêmicos e especialistas na temática.

Segundo ela, “a adesão de um novo Estado Parte ao Mercosul é um passo importante para a consolidação do processo de integração sul-americana, entendido como instrumento para a promoção do desenvolvimento integral, o combate às desigualdades sociais e a redução de assimetrias, com base nos princípios da complementariedade, solidariedade e cooperação. Em virtude de sua localização, a Bolívia adquire papel relevante neste processo, isso sem contar as significativas reservas de minerais de elevado valor estratégico que possui”, destacou.

O Protocolo de Adesão da Bolívia ao Mercosul foi assinado em 17 de julho de 2015, em Brasília e aprovado na Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul, em 16 de agosto. De acordo com a deputada, a reunião de audiência pública a ser marcada, será uma oportunidade de avaliar as implicações que envolvem o ingresso da Bolívia no bloco econômico como membro pleno. “Com uma fronteira tão extensa a dividir os dois países, vários são os desafios para ambos, como, por exemplo, problemas na área de segurança, de desenvolvimento das cidades fronteiriças, geração de empregos e oportunidades para as populações locais, colaboração entre as autoridades regionais entre outros. Tais aspectos demandam intensa cooperação e sintonia, pois dividimos quase 3,5 mil quilômetros de uma fronteira maior que a dos Estados Unidos com o México”, lembrou.

Bruna Furlan enfatizou ainda que “é necessário discutir até que ponto a Bolívia está disposta a assumir todos os compromissos advindos da adesão plena ao Mercosul, sobretudo a observância da cláusula democrática; nas questões de direitos humanos; no estabelecimento do livre comércio recíproco; da adoção da Tarifa Externa Comum; da internalização das normas do bloco; do seu apoio às negociações extrarregionais, como por exemplo das parcerias que o Mercosul pretende firmar com a União Europeia, com os países da Ásia e do Oriente Médio e com outros blocos de interesse comercial”, concluiu.

Também nesta quarta-feira, a presidente da CREDN recebeu em audiência o Embaixador da Bolívia no Brasil, José Kinn, com quem tratou deste e de outros temas da agenda bilateral. Kinn ressaltou o estado das relações bilaterais e revelou que em breve os respectivos ministros de Relações Exteriores se reunirão em Brasília.

Ele afirmou que a Bolívia tem aprofundado o diálogo com os governadores dos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia e que há grande interesse na construção de uma usina hidroelétrica binacional no Rio Madeira. A reunião de audiência pública ainda não tem data marcada.

* Da assessoria da CREDN

X
05/09/2017
Charges