Doria busca investimentos junto ao governo federal para projetos de SP

Notícias - 10/01/2019
Foto: Divulgação

O governador João Doria e uma comitiva de secretários do Estado de São Paulo estiveram em Brasília nesta quinta-feira (10) para uma série de reuniões com ministros e o presidente da República. Logo pela manhã, se reuniram com o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Na ocasião, foram discutidos investimentos direcionados a projetos de infraestrutura de São Paulo, como a Ferroanel, as duas linhas dos trens intercidades para as regiões metropolitanas de Campinas e do Vale do Paraíba. A possibilidade da concessão da Rodovia Rio-Santos também foi abordada e defendida na reunião por Doria.

“Não faz sentido que uma rodovia dessa importância não esteja concessionada e operada pelo setor privado melhorando sua eficiência, reduzindo o seu potencial de acidentes”, pontuou.

O governador tucano destacou a importância do investimento para impulsionar o setor do turismo no Estado.

“É uma rodovia muito importante, sobretudo para o turismo. [ A concessão] Melhora a sua funcionalidade também para irrigar uma indústria importantíssima como a do turismo para geração de emprego, de renda, e movimentação econômica”, defendeu Doria.

Em entrevista coletiva após o encontro, o ministro e o governador anunciaram que as próximas reuniões para discutirem o assunto já ficaram definidas para ocorrer ainda em janeiro e que os prazos para os projetos, assim como os grupos de trabalho e investimentos já foram determinados.

Encontro com Bolsonaro

No encontro, Doria levou para Bolsonaro quatro questões do Estado de São Paulo. A primeira foi o projeto de privatização da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) e a mudança de endereço. A nova área que será ocupada não foi divulgada por Doria, mas ele disse que Bolsonaro foi “muito positivo” e o assunto deve avançar.

“A área será apresentada em breve. Temos quatro alternativas. Será à beira de rodovia para facilitar o escoamento de mercadorias para o porto de Santos. No atual local do Ceagesp nós teremos o CIT, Centro Internacional de Tecnologia e Inovação numa ação conjunta entre os governos do estado, federal e prefeitura de São Paulo”.

Doria falou, ainda, sobre a ida a Davos para participar do World Economic Forum. Ele afirmou que Bolsonaro e seu discurso no evento serão um grande palco para apresentação de um “novo Brasil” com visão liberal.

Fim do Campo de Marte

Após encontro com o presidente da República, Jair Bolsonaro, João Doria anunciou o fechamento do aeroporto do Campo de Marte, na Zona Norte de São Paulo. Em entrevista coletiva, o governador afirmou que o local será transformado em um parque municipal. A administração do parque será da iniciativa privada. Doria destacou que a pista de pouso e decolagem será mantida mesmo sem utilização.

“Não faz o menor sentido que ali funcione pousos e decolagens. Vocês são testemunhas dos acidentes que ocorreram ali, fatalizando vidas, famílias, não só de pilotos, copilotos e passageiros, mas também de moradores da região. Não é local mais de funcionamento de aeroporto”, disse.

Será implantado o Museu Aeroespacial financiado pelo setor privado. Na área funcionará também um colégio militar. O parque será administrado pelo setor privado.

Reforma da Previdência

Doria contou também que conversou sobre a reforma da Previdência com o presidente e manifestou apoio da bancada de São Paulo. Segundo ele, a maioria expressiva dos deputados e senadores do PSDB deve ser favorável ao projeto. O tucano disse ainda ser favorável ao sistema de capitalização defendido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Se aprovada for, ela [previdência] muda o Brasil. Terá um efeito transformador no país, permitindo que o crescimento possa saltar hoje previsto em 3% para 5%. Abre a comporta para os investidores internacionais, abre portas também para investimentos que estão represados de indústrias que estão aqui no Brasil.  Portanto, o povo brasileiro terá o benefício de, com a reforma e os novos investimentos, está diante de um novo quadro de geração de emprego, geração de renda e modernidade”.

O projeto deve ser divulgado nas próximas semanas.

Reportagem Shirley Loiola

X
10/01/2019
Charges