Entenda o que foi mantido e alterado na LDO aprovada para 2019

Notícias - 13/07/2018
Foto: PSDB na Câmara

Ao aprovar o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2019, o Congresso Nacional derrubou a previsão de corte para todos os Poderes. São gastos que abrangem diárias em viagens, contas de água, luz e telefone. O resultado vai de encontro ao que defendia a bancada do PSDB na Câmara e no Senado, que travou uma defesa pelo corte de gastos públicos no próximo ano.
O PLN 2/2018 já havia sido aprovado pela Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO). Diante da falta de consenso, o relator da LDO 2019, senador Dalirio Beber (PSDB-SC), reduziu para 5% o corte obrigatório do custeio administrativo no próximo ano, metade do proposto inicialmente. O texto segue agora para sanção presidencial.

Os parlamentares também decidiram retirar do texto o dispositivo que proibiria a concessão de reajustes aos servidores e a criação de cargos no serviço público no próximo ano, ainda que com efeitos financeiros posteriores a 2019. “A essência da LDO, aprovada na Comissão Mista de Orçamentos (CMO), era a de postergarmos alguns reajustes e benefícios, para permitir que o governo que vai emergir das urnas em outubro iniciasse a nova gestão sem levar mais compromissos financeiros criados pelo Congresso Nacional”, argumentou Dalirio, ao defender a necessidade do congelamento dos salários e benefícios, a partir de janeiro do ano que vem.

Presidente nacional do PSDB e pré-candidato tucano à Presidência da República, Geraldo Alckmin observou que não será fácil administrar as contas públicas para quem assumir o governo no ano que vem. “É o sexto ano de déficit primário, com dívida pública do governo passando dos R$ 5 trilhões, chegando a mais de 75% do PIB. Não é um quadro simples. Mas quem for eleito vai ter mais de 50 milhões de votos e a legitimidade disso é muito grande para poder implementar as reformas.”

Se mantido, o artigo proibiria a concessão de qualquer vantagem ou aumento de remuneração, a criação de cargos, empregos e funções ou alteração de estrutura de carreiras nos órgãos e entidades da administração direta ou indireta. Incluía-se aí fundações instituídas e mantidas pelo poder público, ainda que com efeitos financeiros posteriores a 2019.
Todas as outras inovações propostas pelo relator, em relações ao projeto que veio do Executivo, foram mantidas.

Pelo texto, o atual governo deverá enviar ao Congresso, no segundo semestre, um plano de redução de 10% dos incentivos fiscais em 2019. A meta é diminuir esses benefícios para 2% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Hoje eles somam 4% do PIB, algo próximo a R$ 300 bilhões por ano.

Segundo Dalirio Beber, seu relatório foi elaborado com base nas 1.910 emendas apresentadas e em negociações com o governo. O texto prioriza os dois pontos que a curto prazo mais pressionam as contas públicas: excesso de incentivos fiscais e o aumento das despesas obrigatórias, que dobraram de valor desde 2010.

“Procuramos dialogar com todos e produzir uma peça, que traduzisse o mais próximo possível, a grave realidade financeira do país, a fim de buscarmos para 2019, ferramentas que possibilitassem a retomada do crescimento sustentável para o Brasil”, disse o senador.

O que foi cortado da proposta do relator:

* Proibição de reajustes e de criação de cargos para servidores públicos;
* Redução de 5% do custeio administrativo, como luz, telefone e diárias;
* Possibilidade de bancos privados participarem de transferências de recursos para órgãos públicos, relativos a programas previstos no Orçamento.

O que foi mantido:

* Plano de dez anos para reduzir pela metade as renúncias fiscais, que hoje somam 4% do PIB;
* Proibição de criação ou ampliação de incentivos fiscais. Prorrogação de incentivos atuais por no máximo cinco anos.
* Aumento de despesa obrigatória somente com corte equivalente em outra despesa obrigatória;
* Criação ou alteração de imposto vinculado a algum tipo de gasto somente com justificativa que demonstre ganhos para o contribuinte;
* Proibição de compra ou reforma das residências oficiais e de aquisição de automóveis para autoridades;
* Proibição de reajuste das verbas destinadas aos gabinetes de deputados e senadores;
* Proibição de pagamentos a agentes públicos com efeitos retroativos;
* Proibição de reajustes do auxílio-alimentação, auxílio-moradia e assistência pré-escolar;
* Restrição à nomeação de novos servidores civis ou militares;
* Prioridade para metas do Plano Nacional de Educação (PNE) e ações de enfrentamento à violência contra a mulher;
* Proibição de contingenciamento de recursos captados pelas universidades e instituições públicas de ciência e tecnologia;
* Aumento do orçamento para ações e serviços públicos de saúde;
* Reajuste de 5% dos recursos para atenção básica em saúde e para procedimentos em média e alta complexidade;
* Hospitais universitários poderão receber recursos das emendas obrigatórias destinadas à saúde;
* Destinação de três emendas obrigatórias para as áreas de educação, saúde e segurança pública;
* Correção pela inflação de recursos para educação e assistência social;
* Criação de rubrica específica para ações destinadas à promoção da igualdade entre homens e mulheres;
* Governo manterá painel informatizado para consulta de obras custeadas com recursos orçamentários;
* Proposta orçamentária indicará obras acima de R$ 10 milhões ainda não iniciadas e se possuem ou não estudos de viabilidade e projeto básico;
* Conselhos de fiscalização de profissão deverão divulgar trimestralmente orçamentos, resultados de auditorias independentes e salários dos dirigentes.

X
13/07/2018
Charges