“Fora do diálogo, não há salvação; ainda há tempo para recomeçar”, por Marcus Pestana

Notícias - 27/05/2019

Confesso que cheguei a tal nível de maturidade política que persigo uma radical independência intelectual e não me apaixono mais por nenhum líder carismático ou projeto ideológico salvacionista. Quando era um jovem líder estudantil, guardava, na cabeça e na alma, projetos muito mais radicais e mais certezas do que dúvidas. Poucas certezas da juventude sobreviveram. E me intriga ver nosso país, uma máquina de desenvolvimento no pós-guerra, estar se especializando em jogar oportunidades fora.

Quando, na juventude, abandonei a ortodoxia de esquerda, passei a admirar profundamente personagens como Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, Mário Covas, FHC e JK. Com eles aprendi que adversário não é inimigo, que política é a arte de somar, não de dividir, e que a natural radicalização das campanhas não serve de base para bons governos.

Hoje, fico perplexo com o embate sectário e desqualificado, potencializado pelas redes sociais, entre polos que não se reconhecem legítimos. Não seria grave se o próprio presidente da República, sua família e seu séquito olavista não entrassem pesado no mesmo jogo. A única ideia que ainda me apaixona é a defesa da liberdade e da democracia. E elas estão em risco aqui e no mundo. Edmond Burke alertou: “Quanto maior é o poder, tanto mais perigoso é o abuso”.

Recentemente, o excelente livro dos professores de Harvard Steven Levistsky e Daniel Ziblatt “Como as Democracias Morrem” foi alçado à condição de bestseller. Nas páginas 77 e 78 está dito: “(…) teve que encarar um começo turbulento.

O Congresso não aprovou nenhuma lei durante seus primeiros meses no cargo e os tribunais não pareciam estar à altura (…) O presidente não só carecia de experiência nas complexidades da política legislativa, como tampouco tinha paciência para elas”. E continua: “Assim, em vez de negociar com o Congresso, os açoitou, chamando os de ‘charlatões improdutivos’. Ele atacou juízes não cooperativos, caracterizando-os como ‘lacaios’ e ‘patifes’. Ainda mais perturbador, ele começou a contornar o Congresso, optando por decretos executivos… começaram a se queixar de que a Constituição era rígida e restritiva, reforçando o medo de que o compromisso do presidente com as instituições democráticas fosse fraco”.

“Com efeito, os tribunais declararam vários decretos inconstitucionais (…) houve rumores de impeachment (…) Sentindo-se sitiado, o presidente dobrou a aposta (…) O conflito se agravou (…) o conflito tinha chegado a ponto de (…) ou o Congresso matar o presidente, ou o presidente matar o Congresso”.

“O presidente matou o Congresso. Em abril, apareceu na televisão e anunciou que estava dissolvendo o Congresso e a Constituição. Menos de dois anos depois de sua surpreendente eleição, o outsider azarão tinha se tornado um tirano”.

É um texto ficcional sobre o futuro do governo Bolsonaro? Não. É a descrição da escalada de Alberto Fujimori no Peru rumo à instalação de uma ditadura. Que o texto interessante e de leitura obrigatória, divulgado por nosso presidente, o tenha sido apenas por curiosidade. Que prevaleça o bom senso dos generais no governo. Que as manifestações de amanhã não apostem no confronto com o Congresso e o Poder Judiciário. Que prevaleça o diálogo de Bolsonaro com Rodrigo Maia, Davi Alcolumbre e Dias Toffoli, e não o confronto institucional.

Fora isso, não haverá salvação. Ainda há tempo para recomeçar.

Por Marcus Pestana

Primeiro-secretário da Executiva do PSDB e ex-deputado federal por MG

*Artigo publicado originalmente na edição de 25 de maio de 2019 do jornal O Tempo

 

X
27/05/2019
Charges