Notícias- 18/06/2017

Imersa em crise econômica e política, Venezuela corta importação de produtos do Brasil

Brasília (DF) – A crise econômica da qual a Venezuela não consegue se recuperar, aliada à turbulência política do governo do presidente Nicolás Maduro, tem feito com que o país vizinho deixe de importar produtos do Brasil e de diversos outros países. Segundo reportagem deste domingo (18) do jornal Folha de S. Paulo, a Venezuela se transformou no menor mercado para o Brasil dentre os países da América do Sul, tornando-se menos relevante que Equador e Bolívia, países com menor população e Produto Interno Bruto (PIB).

Em 2012, por exemplo, o mercado venezuelano estava em seu auge, e chegou a absorver US$ 1,9 bilhão em bens brasileiros, somente no período de janeiro a maio. Era o segundo maior destino na região, e o oitavo no mundo. Hoje, o país não está nem entre os 50 primeiros. O resultado amargo para a Venezuela contrasta com o desempenho da exportação brasileira. Ao mesmo tempo em que as importações do país vizinho caíram 57%, as vendas de produtos brasileiros para o resto do mundo subiram 20%.

Vale destacar que o declínio do comércio bilateral entre Brasil e Venezuela já está em seu quinto ano consecutivo. Na comparação com 2012, a queda chegou a 91%. As reclamações de empresários brasileiros por conta de atrasos nos pagamentos de exportações já eram frequentes, e se intensificaram à medida que a crise se agravou no país do presidente Maduro.

Aos poucos, as empresas desistiram de vender para a Venezuela. Produtos como gado, carne bovina e milho deixaram de ser enviados. Agora, encabeçam a lista de exportações bens como carne de galinha e leite integral, mas em volumes consideravelmente menores.

De acordo com o professor de relações internacionais da FGV, Oliver Stuenkel, é quase inviável para uma empresa manter exportações ao país hoje sem ter acesso privilegiado ao alto escalão do governo Maduro. E a situação venezuelana tende a piorar. A estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI) é que haja retração de 7,4% no PIB venezuelano neste ano. Já a economia do país deverá continuar a encolher ao menos até 2022.

Leia AQUI a reportagem do jornal Folha de S. Paulo.

X
23/06/2017