Inadimplência cresce e atinge 63,4 milhões de brasileiros

Notícias - 20/08/2018
Foto: EBC

Em meio à insegurança do cenário econômico brasileiro, a população sofre com as dívidas e a falta de emprego. O país nunca teve tantos inadimplentes. Em julho, o total de brasileiros com dívidas em atraso chegou a 63,4 milhões, segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), contingente quase equivalente à população da Itália. Apesar de a série histórica ter mostrado uma melhora na inadimplência de março a setembro do ano passado, a reversão das expectativas da economia afetou essa trajetória.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo desta segunda-feira (20), os mais pobres continuam sendo os que mais devem, mas entre as famílias de maior renda o índice de inadimplência também tem aumentado.

Pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) apontou que, no grupo com renda superior a dez salários mínimos, o indicador alcançou 10,8%, ante 10,6% do mesmo mês do ano passado.

Para o deputado federal Rodrigo de Castro (PSDB-MG), o grave cenário ainda é reflexo dos desmandos provocados pela gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, afastada do cargo em 2016.

“É um dado extremamente assustador. Nós presenciamos isso no dia-a-dia, no cotidiano de várias pessoas que conhecemos. Isso é resultado desses quatro anos de crise sem precedentes causados pelo desgoverno da ex-presidente Dilma”, afirmou.

Outro índice que continua em alta é o desemprego. Reportagem do Fantástico deste domingo (19) revelou que a força de trabalho subutilizada no Brasil chega a 27 milhões de pessoas. Na avaliação do tucano, os dados comprovam que o desemprego elevado e a renda curta dos brasileiros contribuem para o avanço do quadro de inadimplência.

“É necessário agora um esforço muito grande da sociedade e dos governos para reverter essa situação. O primeiro passo é criar políticas públicas efetivas com mais desenvolvimento para o país, mais crescimento e geração de emprego e renda”, completou.

Ainda de acordo com a reportagem, mais da metade dos inadimplentes (51%) tem entre 30 e 49 anos. A avaliação é que essa faixa etária representa para muitos o momento de construção da vida pessoal e profissional, o que leva a desequilíbrios de orçamento.

O balanço levou em consideração desde dívidas bancárias – como faturas atrasadas de cartão de crédito e empréstimos bancários não pagos – a crediários abertos no comércio e dívidas com empresas que prestam serviços de telefonia, TV por assinatura e internet.


X
20/08/2018
Charges