Lava Jato alcança Banco do Brasil e apura corrupção em contratos de R$ 150 mi

Imprensa - 01/08/2016

Banco do BrasilO grande esquema de corrupção desmontado pela Operação Lava Jato na Petrobras pode ter ramificações no Banco do Brasil. A força-tarefa da operação da Polícia Federal investiga o pagamento de propinas em contratos de fornecimentos de software e serviços de informática à instituição financeira que ultrapassam os R$ 150 milhões, como revela reportagem publicada nesta segunda-feira (1) pelo jornal Estado de S. Paulo.

Documentos obtidos pela Polícia Federal indicam que a empresa Credencial Construtora, Representações e Participações, que já estava na mira dos investigadores por corrupção em contratos da Petrobras, pode ter recebido percentuais de até 10% nos negócios com o banco, fechados entre 2008 e 2010 – período de governos do PT na Presidência da República. Essa é a primeira frente da operação que investiga contratos do Banco do Brasil desde que a Lava Jato foi deflagrada, em 2014.

Os contratos do Banco do Brasil com as empresas Ação Informática Brasil, PBTI Soluções e CTIS Tecnologia estão sob apuração desde junho.  Essas empresas passaram a ser investigadas assim que a força-tarefa identificou pagamentos feitos por elas para a empresa Credencial, cujos donos são acusados também de repasses de valores comprovados para o ex-ministro da Casa Civil no governo Lula, José Dirceu, preso em Curitiba.

Para o deputado federal Fábio Sousa (PSDB-GO), essa é a prova de que nenhuma das principais instituições públicas do país foram isentas de esquemas de corrupção promovido pelo PT.

“Nesses últimos governos no Brasil não se salva nenhum lugar. Olha para a Petrobras e veja o que fizeram. Olha para contratos do Ministério da Previdência e veja o que fizeram. Do Ministério do Planejamento também. Agora com os bancos estatais, veja o que fizeram. Não vai ser surpresa nenhuma se entrar aí BNDES, Caixa Econômica e outros afins. É a institucionalização da corrupção.”

Fábio Sousa acredita que tais desdobramentos devem manter a Operação Lava Jato em atividade por bastante tempo. “Quem acha que a Lava Jato está morrendo ou vai acabar, mesmo que ela chegue ao final do seu processo investigatório, é bom lembrar que vão surgir várias outras filhas da Lava Jato, vários outros processos que saíram de alguma investigação da própria Lava Jato. E essa do Banco do Brasil, se confirmadas as suspeitas, é mais uma prova disso.”

As suspeitas levaram o Conselho Diretor do Banco do Brasil a determinar a realização imediata de auditoria interna dos principais contratos da área de tecnologia firmados em 2008.

Clique aqui para ler a íntegra da reportagem do jornal Estado de S. Paulo.


X
01/08/2016
Charges