Mariana Carvalho defende conscientização sobre doenças cardiovasculares

Notícias - 27/06/2019
Foto: Alexssandro Loyola

A deputada federal Mariana Carvalho (RO) ocupou a tribuna na Câmara para destacar a importância da Carta Mulheres, documento da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), que descreve as ações necessárias para a prevenção cardiovascular. O texto foi elaborado no Simpósio Mulheres do Coração, em João Pessoa (PB), no mês passado.

“Em nome do presidente eleito da SBC, Doutor Marcelo Queiroga, e de todos e todas cardiologistas associados, ressalto a importância desse documento que nos trás um importante alerta: a prevenção poderia evitar 80% das mortes prematuras por doenças cardiovasculares.”

A carta das mulheres contém as ações que serão adotadas pela SBC para alertar as autoridades públicas e a sociedade civil sobre a necessidade de priorizar o tema.

A SBC promove mobilização nacional para ampliar as ações relativas à causa, como a criação de um grupo de discussões permanente que exerça um papel de liderança nas políticas brasileiras para a saúde.

O objetivo é fornecer aos gestores uma visão geral da relevância das doenças cardiovasculares nas mulheres para que possam traçar ações estratégicas para reduzir a prevalência de fatores de risco, melhorar o diagnóstico e a abordagem terapêutica, reduzindo assim sua mortalidade e morbidade.

Conscientização

Mariana Carvalho participou do 40º Congresso da Sociedade de Cardiologia do estado de São Paulo (Socesp) cujo tema do encontro foi “Reduzindo a Mortalidade por Doenças Cardiovasculares”.

A parlamentar conheceu experiências exitosas apresentadas por especialistas de diversos países. Segundo ela, “uma valiosa contribuição para a produção científica brasileira”.

De acordo com a deputada, recebeu apoio ao Projeto de Lei 1136/2019, apresentado por ela no início deste ano. A proposta estabelece o Dia Nacional de Conscientização das Doenças Cardiovasculares na Mulher, a ser celebrado no dia 14 de maio.

“A SBC reconhece a importância de termos um dia especifico de mobilização no qual possamos ter ações do poder público – em parceria com universidades, associações e sociedade civil – para organizar palestras, eventos e treinamentos sobre as doenças cardiovasculares na mulher, antecipando assim o diagnóstico”, alertou.

Preocupação

Mariana Carvalho disse que a preocupação com a prevenção é geral, independentemente de gênero, mas, que as mulheres necessitam de uma ação enfática diante de dados que comprovam um aumento gritante das doenças cardiovasculares no sexo feminino.

Apenas um terço dos testes de remédios cardiológicos é feito com mulheres, como revelou pesquisa realizada sobre a aprovação de terapias cardiovasculares. Cardiologista, a deputada ressalta que essa disparidade gera riscos à saúde da mulher em razão das diferenças genéticas, bioquímicas e fisiológicas entre os sexos.

De acordo com a SBC, atualmente morrem praticamente a mesma quantidade de homens e mulheres por doenças do coração, sendo que há pouco tempo as mulheres faleciam 9 vezes menos que os homens por consequência desses problemas.

Mortes

Foto: ABr

As doenças cardiovasculares são responsáveis por 30% das mortes do sexo feminino, no Brasil, e matam duas vezes mais que todos os tipos de câncer, incluindo o de mama.

“Isso só reforça a necessidade de termos um período específico para promovermos campanhas direcionadas às mulheres. Precisamos cuidar do coração de todos os brasileiros e faço esse destaque em relação às mulheres diante desses dados que tanto nos preocupam”,afirmou a deputada.

O PL 1136/2019 está em fase de apreciação na Comissão da Mulher.

*Com informações da assessoria da deputada federal Mariana Carvalho (RO).

Temas relacionados:


X
27/06/2019
Charges