“Ninguém vai conseguir governar nada, daqui a quatro anos, se as reformas não forem feitas”, afirma Roberto Rocha

Notícias - 22/03/2019

Em entrevista  a uma rádio do Maranhão esta semana, o líder do PSDB no Senado, Roberto Rocha (MA) falou sobre a importância de uma agenda que priorize as reformas da Previdência e Tributária. Na avaliação do senador tucano, o crescimento do país depende da aprovação destas matérias.

“Na hora em que o Brasil aprovar a Reforma da Previdência, esse país cresce mais ou menos o que vai crescer o mundo em 2019: 3,5%. Isso significa que a arrecadação tributária crescerá 10%, porque pra cada 1% de crescimento do PIB, cresce 3% a arrecadação tributária. Nós precisamos disso”, calculou Roberto Rocha ao ressaltar que será difícil governar o país sem realizar reformas estruturantes.

“Ninguém vai conseguir governar nada, daqui a mais quatro anos, se as reformas não forem feitas. Todo o dinheiro do Brasil vai ser pra pagar a previdência. E não haverá mais dinheiro sequer pra pagar folhas de funcionários”, avaliou.

O senador ainda afirmou que maior bem a ser feito no momento a população é promover a geração de emprego e renda.

“Precisamos destravar a economia, fazer o país retomar o crescimento econômico. Não há possibilidade de gerar emprego se a economia não crescer. Emprego é a maior obra social. Na medida em que você promove o desenvolvimento econômico, você, claro, gera emprego”, constatou o parlamentar.

O líder do PSDB no Senado também falou sobre seu trabalho a frente da Corregedoria da Casa e acerca da eleição conturbada da Mesa Diretora,  ocorrida no dia 02 de fevereiro, que culminou na investigação de possível tentativa de fraude.  “As imagens já se encontram conosco em HD, são muitas horas de imagens. E a equipe do meu gabinete se debruçou no final de semana pra ver. Após checar essas imagens, voto a voto, nós vamos pegar o testemunho daqueles que participaram da mesa, sejam senadores ou servidores, para esclarecimento do caso. Penso que nós teremos que fazer uma investigação mais profunda em um ou dois votos”, informou.

Da redação com informações da assessoria de imprensa do parlamentar

 

Temas relacionados:


X
22/03/2019
Charges