Em 15 anos do Estatuto do Idoso, Tripoli defende importância da legislação

Notícias - 10/07/2018

Após 15 anos da criação do Estatuto do Idoso, o Brasil ainda enfrenta diversos desafios no cumprimento da principal lei de defesa dos direitos desse grupo. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país possui hoje mais de 27 milhões de idosos, representando 13% do total da população. No entanto, especialistas garantem que o envelhecimento dos brasileiros não tem sido acompanhado por medidas que garantam todos os direitos desse público.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo desta terça-feira (10/07), a baixa oferta de políticas de cuidado para idosos que precisam de apoio é um dos principais gargalos. Outros problemas são dificuldade no acesso à saúde, ausência de abordagem nas escolas sobre respeito ao idoso e falta de políticas de emprego.

Criador do primeiro programa estadual voltado para os idosos de São Paulo há mais de 20 anos, o deputado federal Ricardo Tripoli (PSDB-SP) destacou a importância do direcionamento de políticas públicas sobre o tema para que ocorra a real inclusão dos idosos na sociedade.

“Nós precisamos de políticas públicas para que haja também o resgate da autoestima da pessoa idosa. Os idosos podem ajudar muito. Quem vive mais já errou muito e pode ensinar quem está chegando. É fundamental essa troca de informações e experiência entre as pessoas idosas no Brasil”, afirmou.

Na avaliação do tucano, o país ainda está muito aquém do esperado no que compete ao cumprimento das leis que protegem os idosos. “Acho que estamos muito abaixo do esperado, temos muito o que percorrer, muito a ser feito. Temos que incluir o idoso na sociedade, não excluí-lo. Está faltando essa visão”, disse.

Pesquisa Datafolha mostra que a maioria dos idosos têm visão pessimista sobre as condições do país: 69% deles avaliam que o Brasil está pior hoje do que na sua juventude. Saúde pública e condições de trabalho têm as piores avaliações. O levantamento ouviu 2.732 pessoas com 16 anos ou mais (848 a partir dos 60 anos) em setembro de 2017.

Cidade Amiga do Idoso

O deputado também é o autor do projeto de lei que institui o Programa Cidade Amiga do Idoso. A proposta, que está em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, tem como finalidade incentivar os municípios a adotarem medidas para um envelhecimento saudável e aumentar a qualidade de vida da pessoa idosa.

Segundo Tripoli, “uma cidade amiga do idoso estimula o envelhecimento ativo ao otimizar oportunidades para saúde, participação e segurança”. “Em termos práticos, uma cidade amiga do idoso adapta suas estruturas e serviços para que estes sejam acessíveis, intersetoriais, intergeracionais, preventivos e promovam a inclusão de idosos com diferentes necessidades e graus de capacidade”, afirmou.

O tucano explicou ainda que o projeto está caminhando para sua aprovação. “Está avançando. Se for aprovado, é lei. Entendemos que a população idosa, por toda a contribuição que deu para sociedade e por tudo que ainda pode nos ensinar, merece todo o respeito devido, todos os esforços para assegurar-lhe uma vida digna e saudável”, completou.

X
10/07/2018
Charges