Reeleito, Azambuja destaca prioridades para saúde e segurança pública em MS

Saúde - 30/10/2018

Reeleito para o governo de Mato Grosso do Sul com mais de 600 mil votos nesse domingo (28), o tucano Reinaldo Azambuja tem como prioridades de sua gestão a segurança pública, a saúde e a inclusão social. Em entrevista ao MS1, da TV Morena, nessa segunda-feira (29), Azambuja afirmou que pretende triplicar o número de convocados do concurso para a Polícia Militar, visando reforçar o efetivo da corporação.

Segundo o tucano, o planejamento é manter nos próximos quatro anos chamamentos de policiais para reforçar as estruturas de segurança pública.

“Tenho o compromisso de fazer o chamamento de 450 aprovados neste concurso e mais o dobro. Vou aproveitar o mesmo concurso, então teremos mais de 1.200 novos policiais. Temos 500 agentes penitenciários que já estão fazendo curso de formação e o concurso da Polícia Civil”, explicou.

Para a saúde, outra questão primordial para a população sul-mato-grossense, o governador disse que pretende consolidar a regionalização e dar continuidade às caravanas da saúde. Na avaliação dele, essa será uma obrigação do governo do estado.

“Terminar Três Lagoas, que vai ser entregue ano que vem, complementar Dourados, a Santa Casa de Corumbá, o Hospital do Câncer de Campo Grande e contratar. São polos regionais. Serão custeados e administrados pelo governo do estado. É aproximar essa alta e média complexidade e isso impõe a contratação da mão de obra especializada”, destacou.

Azambuja disse que Dourados será o primeiro município a receber as novas caravanas da saúde, que levam atendimento médico em várias especialidades e cirurgias eletivas à população.

“Já estava na nossa programação. Só parou por conta da questão eleitoral. Além disso, nos próximos meses, vamos fazer a caravana indígena. Já tem programação e escalonamento para o próximo ano. A caravana vai continuar para diminuir a dor de quem espera há muito tempo por uma cirurgia, por um atendimento”, ressaltou.

No novo mandato, o tucano também anunciou que a política da concessão de incentivos fiscais vai mudar no estado para incentivar a inclusão social. “As empresas que derem o primeiro emprego para os jovens e as que oferecerem trabalho às mulheres vítimas de violência vão ter um incentivo fiscal maior. São dois nichos que achamos importante incentivar”, declarou.

Outra meta de Azambuja é promover uma nova reforma administrativa no estado. Segundo ele, sua equipe já está fazendo um estudo que será apresentado nos próximos dias com o objetivo de “gastar menos com o governo para gastar mais com as pessoas”.

“Já temos a menor estrutura administrativa do país. MS tem 10 secretarias e duas empresas públicas, as duas dão lucro para o estado. O que der nós vamos fundir. Unificar algumas unidades governamentais, diminuir cargos em comissão e avançar com tecnologia e inovação. Vai ter reforma administrativa. Com certeza terá [novas caras no novo mandato]. Sou muito grato à nossa equipe, mas o governo é um novo governo”, completou.

Reportagem Clarissa Lemgruber

X
30/10/2018
Charges