Tasso critica “satanização” generalizada do sistema político

Notícias - 01/04/2019
Foto: Gerdan Wesley

O senador Tasso Jereissati (CE) criticou a postura do presidente Jair Bolsonaro de “satanizar” generalizadamente o sistema político, com o rótulo de “velha política”, sem apresentar, de fato, um novo modelo para o país. “Ele baseou a sua chamada ‘nova política’ numa espécie de ojeriza à política, combinado com o que o PT fez, mas com sinal trocado. Dividindo o país”, afirmou.

Tasso, que é presidente nacional do ITV, participou do programa GloboNews Política que foi ao ar na sexta-feira (29). Ele definiu a “velha política” como um modelo fisiologista, em que a relação do Executivo com o Congresso Nacional é pautada na troca de cargos e favores por voto. “Isso está fundamentado na desorganização partidária que, tempos atrás, eu chamei de presidencialismo de cooptação. Esse modelo faliu. E nisso o presidente Bolsonaro está certo. Só que ele não tem um novo modelo”, disse.

Na avaliação do senador, um dos maiores erros de Bolsonaro é dizer que não vai negociar com partidos. “Ele tem que negociar é com os partidos, em torno de programas e projetos, e não negociar individualmente em torno de cargos. Isso é que é a velha política”, completou.

Tasso afirmou também que o presidente precisa manter o debate político em torno do que é fundamental, especialmente, a reforma da Previdência. “Ele precisa esquecer o twitter e sair para pregar à sociedade sobre a necessidade dessa reforma.  Quanto mais demorar a fazer isso, maiores serão as dificuldades para aprovação”.

O presidente do ITV voltou a defender o Parlamentarismo como sistema de governo ideal para o país. “A nova política é algo que passa pelo Parlamentarismo, que dá um grau de responsabilidade a todos os níveis de governo. O Parlamento, por exemplo, não criaria um impasse desnecessário por questões fisiológicas porque os mandatos estariam em jogo diante da possibilidade de convocação de novas eleições para o Congresso”, explicou.

Do ITV 


X
01/04/2019
Charges