Tucano obtém vitória com boa margem em Sorocaba

O médico Vítor Lippi teve 62,4% dos votos, ante 37,6% de Caldini Crespo (PFL), e vai suceder a outro tucano na cidade

Notícias - 01/11/2004

O médico Vítor Lippi (PSDB), de 45 anos, venceu a eleição em Sorocaba. Ele obteve 167.856 votos (62,43% dos válidos), ante 100.998 (37,57%) do seu concorrente, o engenheiro Caldini Crespo, do PFL. Lippi sucederá no cargo o tucano Renato Amary, prefeito há oito anos, ampliando a hegemonia do PSDB na cidade.

A apuração terminou apenas às 21h25 porque uma urna apresentou problemas e teve de ser computada separadamente. Dos 348.483 eleitores inscritos, 295.766 deixaram de votar, o que representa 15,13% do total – no primeiro turno, também vencido por Lippi, a abstenção havia sido de 12%. Os votos em branco somaram 6.918 (2,34%) e os nulos, 19.994 (6,76%).

A festa dos vencedores lotou a Avenida Afonso Vergueiro, na região central da cidade, onde fica o comitê de Lippi. O trânsito na área foi interditado. Já no início da contagem dos votos houve queima de fogos e grande concentração de pessoas na frente do comitê eleitoral.

A votação ocorreu em clima tranqüilo, ao contrário da campanha no segundo turno, marcada pela troca de acusações entre os candidatos e incidentes ligados à disputa. A Polícia Militar (PM) destacou um grande contingente para o local de apuração, mas os policiais não tiveram trabalho.

Médico dermatologista, Lippi foi secretário de Saúde nas duas gestões de Amary. Antes, havia sido vereador em Mairinque e Alumínio, cidades da região. Ele disse, ainda antes de confirmada a sua eleição, que seu plano é manter o que a cidade conseguiu nos últimos oito anos. “Sorocaba tornou-se bonita e dinâmica, nosso desafio é assegurar que esse desenvolvimento continue.“

Nos próximos dias, devem ser iniciadas as articulações para a formação da equipe de governo. O eleito terá uma centena de cargos em comissão para preencher, entre eles os de 15 secretários municipais, 20 assessores técnicos e 8 coordenadores de projetos, que formam o primeiro escalão.

ORÇAMENTO

O novo prefeito terá um orçamento de R$ 595 milhões para seu primeiro ano de mandato. A proposta orçamentária, 10% superior à de 2004, deverá ser votada pela Câmara até o dia 30 e receber emendas dos vereadores.

Os órgãos da administração direta foram contemplados com R$ 471 milhões. Outros R$ 71,5 milhões foram destinados ao Serviço Autônomo de Água e Esgotos e R$ 49,3 milhões para a Fundação de Seguridade Social dos Servidores Públicos. A Câmara deve receber R$ 16,8 milhões. A educação terá R$ 133 milhões e a saúde, R$ 137 milhões.

O setor de finanças receberá R$ 42,5 milhões e o de serviços públicos, R$ 33,2 milhões. Na habitação, a prefeitura continuará dependendo dos projetos do governo federal.

O prefeito eleito terá de buscar composição para assegurar a maioria na Câmara, que terá 20 vereadores a partir de 1.º de janeiro: 5 do PSDB; 4 do PT; 3 do PFL; 2 do PL; 2 do PDT; 2 do PV; 1 do PMDB, e 1 do PPS.

X
01/11/2004
Charges