Notícias- 21/04/2017

Tucanos relembram Tancredo Neves após 32 anos de sua morte

Tancredo NevesTancredo Neves

Há trinta e dois anos, morria um dos mais importantes políticos brasileiros do século XX: Tancredo Neves. O Brasil inteiro sentiu a perda do político, que representava a esperança e a renovação do país após 21 anos de regime militar. A ditadura, o autoritarismo e o cerceamento de direitos fundamentais fizeram os brasileiros irem às ruas lutar pelas eleições diretas e pelo retorno da democracia. Em 15 de janeiro de 1985, Tancredo Neves foi eleito indiretamente no Congresso como o primeiro presidente civil após 21 anos de Ditadura Militar. Mas não chegou a tomar posse em razão de uma diverticulite, que o levou à morte três meses depois de eleito pelo Legislativo.

Políticos do PSDB, em especial de Minas Gerais – estado natal do ex-presidente -, relembraram a data e prestaram homenagens para o político mineiro que deixou um legado de conciliação e de paz para toda a nação.

Durante as comemorações do centenário do avô Tancredo Neves, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, relembrou bem os traços mais fortes de sua personalidade:

“Ele só entendia a ação do homem público dentro das razões da paz. Mas Tancredo não era apenas conciliador – um ouvinte paciente, um negociador talentoso, ameno no trato e nas palavras. Nas horas difíceis e decisivas da nossa história, sabia acrescentar à cordialidade e à elegância a coragem cívica, quando o que estava em jogo eram os princípios democráticos e o Brasil. Ambos – o conciliador e o defensor intransigente dos princípios que professava – se fundiram em um líder por inteiro”.

Na sessão comemorativa do centenário de Tancredo, ele acrescentou ainda que o avô era “genuinamente um democrata”, um “homem do Parlamento”, especialmente atraído pelo debate das ideias.

“Acredito que foi justamente o exaustivo exercício do contraditório que adensou suas crenças na política – e nos caminhos da política – como espaço para o diálogo, o entendimento e a construção dos necessários consensos em torno das grandes causas nacionais”, completou.

O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) destacou o ineditismo e a trajetória de Tancredo durante a vida política e enalteceu as qualidades que, segundo ele, até hoje não foram encontradas em nenhum outro parlamentar.

“Poucos mineiros nos orgulham tanto como Tancredo Neves. Não há, na histórica política do Brasil, alguém que teve uma trajetória como a dele, no Legislativo e no Executivo. Foi vereador, deputado estadual, federal, senador, ministro, primeiro-ministro, governador e presidente. Ninguém teve igual histórico. Por sua experiência e seu jeito de fazer política, Tancredo soube reconduzir o Brasil para o rumo da democracia e nos deixou exemplos muito valorosos”, disse.

O senador afirmou que Tancredo serve como exemplo para os políticos dos dias atuais. “No momento pelo qual passa nosso país, a figura de Tancredo Neves deve sempre nos inspirar para que possamos realizar – como ele fez há mais de 30 anos – a travessia para um Brasil melhor, mais desenvolvido, inclusivo e justo”, completou.

O deputado mineiro Caio Narcio (PSDB-MG) relembrou o momento nebuloso da política brasileira, que foi a ditadura, e ressaltou a habilidade de Tancredo em dialogar e se aproximar do povo.

“Tancredo representa o que há de melhor na política do Brasil e é um exemplo para Minas Gerais. Durante o regime militar, ele teve um papel convergente em um momento onde a conversa não era reconhecida como uma ferramenta possível. Com uma habilidade de diálogo talvez nunca vista por outro personagem da política nacional, Tancredo foi uma ferramenta de transição importante em momento extremamente crítico”, declarou.

Para Caio Narcio, até hoje Tancredo é uma referência. O deputado ressaltou a capacidade de transformação da realidade nos momentos de crise com que o político mineiro solucionava os embates da época.

“Capaz de uma articulação e de um diálogo diferenciado, ele deixou sua marca na política. Talvez se compararmos os tempos sombrios da política nacional, possamos dizer com segurança que anda faltado ‘Tancredos’ na política nacional que possam desenvolver o papel que ele desenvolveu naquele período”, afirmou.

O deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) disse que as qualidades de Tancredo Neves contribuíram para a evolução do Brasil enquanto nação democrática.

“Tancredo foi uma das mais ilustres lideranças políticas do país e o seu prestígio foi de tal ordem que conseguiu com apoio determinado do Congresso Nacional ser eleito presidente da República. Foi um homem público cujas qualidades e habilidades de atuação deixaram marcas em nossa evolução política”, disse.

Eduardo Barbosa (PSDB-MG), deputado tucano pelo estado de Minas Gerais, também prestou homenagens ao político conterrâneo e afirmou que Tancredo tinha atributos que hoje faltam aos políticos atuantes.

“O grande valor que Tancredo Neves deixou como legado, e que hoje falta muito, é um processo de diálogo constante, permanente com a sociedade, além da noção de coletividade. Ele não era individualista como a gente percebe hoje nas grandes lideranças”, concluiu.

Tancredo Neves foi eleito o primeiro presidente civil da República brasileira, em 15 de janeiro do 1985, com uma larga diferença: 480 votos contra 180 do candidato Paulo Maluf. Houve muita comemoração nas ruas e o povo voltou a acreditar em uma pátria livre. Tancredo firmou com os brasileiros o compromisso de virar a página da história do Brasil e devolveu ao país perspectivas de liberdade e justiça. No entanto, sua morte prematura aconteceu na véspera da sua posse como presidente, fato que causou comoção nacional. No lugar de dele, assumiu interinamente a Presidência da República o vice-presidente eleito, José Sarney.

X
25/06/2017