Juventude PSDB

Mais

A Juventude tucana surgiu junto com a fundação do Partido da Social Democracia Brasileira, em 25 de junho de 1988. Muitos jovens que militavam no PMDB e em outros partidos, em organizações não-governamentais (ONGs) ou nas agremiações estudantis, acreditaram desde o início na proposta de formação de um partido social-democrata no Brasil. O movimento cresce com a memorável campanha de Mário Covas à Presidência do Brasil, em 1989.

Em 1989, no I Congresso Nacional da Juventude do PSDB, iniciou-se um processo de interiorização e de organização nacional. Cláudio Sena, da JPSDB de São Paulo, foi eleito como primeiro Coordenador Geral.

No II Congresso, em 20 de maio de 1990, aprovou-se o Estatuto da Juventude Nacional do PSDB, sendo reeleito Cláudio Sena.

No III Congresso da JPSDB, em 1991, Paulo Sena (JPSDB-SP), foi eleito. Decidiu-se pela oposição ao Governo Collor de Mello e o início da campanha pelo parlamentarismo.

No IV Congresso, em 1992, a Juventude tucana aderiu à campanha pelo impeachment do presidente Collor. Foi eleito Egídio Guerra, (JPSDB-CE), que, em 1993, foi destituído pelo Conselho Nacional de Políticas da Juventude, “por ausência sistemática na direção da entidade”. Assumiu provisoriamente a Vice-Coordenadora, Vanessa Robassini (JPSDB-DF).

No V Congresso, em 1994, decidiu-se apoiar a candidatura de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República e repudiar a forma de condução e a resultante coligação entre PSDB-PFL. Foi eleito Sandro Resende, JPSDB-GO, como Coordenador Geral.

A JPSDB participou ativamente da campanha presidencial e, em encontro com o presidente Fernando Henrique Cardoso, encaminhou manifesto favorável à criação do Conselho Nacional de Políticas Públicas para a Juventude e reafirmou o seu apoio às reformas que estavam sendo executadas pelo Governo Federal.

Em fevereiro de 1995 ocorreu, em Brasília (DF), o I Congresso Extraordinário Nacional da Juventude do PSDB, quando foi reformulado o seu Estatuto.
Na Convenção Nacional do Partido, para Reforma Estatutária, ocorrida no dia 8 de março de 1996, em Brasília (DF), a JPSDB foi oficializada como Secretaria Nacional, devendo se desdobrar em organismos estaduais e municipais. O novo Estatuto do PSDB prevê a filiação e a participação em atividades partidárias de jovens em idade inferior à do alistamento militar, dá ao Diretório Nacional do partido a tarefa de dispor sobre a organização e o funcionamento da JPSDB.

No VI Congresso foi reeleito Sandro Resende. Posteriormente, no VII Congresso, Eduardo Saron (JPSDB-SP) assumiu a direção da entidade. Em sua gestão foi criado o Laboratório de Aprendizagem Política (LAP), projeto revolucionário de nossa formação de militância política.

No VIII Congresso Nacional da JPSDB, foi eleito o jovem Adolpho Konder (JPSDB-RJ). No IX Congresso, foi eleito Bruno Galan, da JPSDB-TO, que se licenciou para organizar as candidaturas de todos os prefeitos e vereadores do estado de Tocantins, assumindo uma Comissão Provisória formada por três membros, Rodrigo Delmasso (JPSDB-DF), Bernardo Soares (JPSDB-DF) e Alexandre Andrade (JPSDB-SP).

Em maio de 2005, assume uma nova Comissão Provisória, integrada por nove representantes: Alexandre Andrade (JPSDB- MG), André Achutti (JPSDB-SC) , Bruno Covas (JPSDB-SP), Carla Araújo (JPSDB- PA), Edmar Neto (JPSDB-MS) e Kamyla Castro (JPSDB-CE) como titulares; e Leandro Monteiro (JPSDB SP), Leonardo Felipe (JPSDB GO) e Rodrigo Delmasso (JPSDB DF) como suplentes.

No X Congresso, assume a jovem Kamyla Castro (JPSDB-CE), como 1ª mulher a exercer a Presidência Nacional da Juventude Tucana, e Roberto Tross (JPSDB-MG) como representante da Juventude na Executiva Nacional do partido. Dando continuidade aos trabalhos e em reconhecimento à grande importância da formação de novos líderes, inicia-se em 2007 a III etapa do LAP, no frequente desafio de sensibilizar o jovem para a importância de uma atuação política direta, comprometida com a ética, a realidade, a competência e a honestidade que marcam a história do PSDB.

Em 2007, Bruno Covas (JPSDB-SP) foi eleito presidente da Juventude tucana, sendo posteriormente sucedido por Marcelo Richa (2011).

Durante o mandato do Marcelo a Juventude Tucana realizou o seu primeiro Congresso Nacional, realizado em Goiânia, no mesmo ano. O evento é considerado um marco para a Juventude, que pôde definir bandeiras e pautas a serem defendidas pelos militantes do secretariado.

Em 2013 ocorre a eleição de Olyntho Neto, sucedido em 2016 pela Comissão Provisória que exerce o seu mandato até hoje. Entre as atribuições da atual gestão estão a regulamentação do seu novo estatuto, que define os parâmetros adequados para a realização de suas convenções, a identificação de novas lideranças e a formulação de uma agenda de militância partidária, cada vez mais unificada.

Presidente: André Felipe Morais Matos (AM) Vice-presidente: Caio César Lessa Ferreira (PE) 1º Secretário: Vitor Otoni Damasceno (ES)


X
02/09/2016
Charges