Filie-se
PSDB – ES
PSDB – ES

As prioridades de Alckmin: combate à corrupção e retomada do crescimento

19 de agosto de 2018
Email Share
Crédito: Ciete Silvério

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, reiterou seu compromisso no combate à corrupção e com a retomada do crescimento durante o segundo debate entre presidenciáveis, promovido nesta sexta-feira (17) pela Rede TV! A intenção de Geraldo Alckmin é apresentar todas as reformas necessárias já no primeiro dia de governo, caso seja eleito.

“O Brasil tem pressa! Quero ser presidente para no dia 1º de janeiro apresentar as reformas para a retomada econômica. Temos hoje 27 milhões de pessoas sem emprego, e é possível mudar isso. Teremos tolerância zero com a corrupção. Faremos uma reforma política para melhorar o ambiente político e vamos tipificar no Código penal o enriquecimento ilícito”, afirmou.

Para garantir a recuperação do emprego e da renda, o candidato tucano considera necessária a simplificação tributária e atenção especial ao agronegócio. “Vou priorizar um conjunto de medidas na área tributária. Você que paga 5 impostos em um produto vai pagar um só. Para se ter uma ideia, hoje o alimento acaba acumulando quase 33% de impostos”, observou.

Dentro de seu plano de zerar o déficit primário em dois anos, Geraldo Alckmin indicou o caminho: “Hoje, o governo gasta um absurdo, e gasta mal. Temos um Estado inchado e juros altos. Faremos o contrário: vamos cortar gastos e rever incentivos”. Assim vamos zerar o déficit e trazer investimentos para o Brasil”.

Para Geraldo Alckmin, o teto de gastos se impôs ao país em razão do estouro das contas públicas durante a gestão petista. “PEC do teto foi vacina contra o PT. Em 13 anos foram 13 milhões de desempregados e descontrole das contas públicas. Quem assumir, encontrará o sexto ano de déficit primário e entra devendo R$ 139 bilhões sem pagar dívida. Em São Paulo, não fiz PEC (do teto de gastos), fiz superávit, investindo, gerando empregos. É preciso reduzir o tamanho do Estado para recuperar o investimento”, defendeu.

Compartilhe!