Autossuficiência em petróleo revela aumento da recessão, diz deputado Cury

Acompanhe - 16/02/2016

eduardo cury foto Agencia CamaraBrasília (DF) – O Brasil voltou a ser autossuficiente em petróleo. O que poderia ser uma boa notícia revela, na verdade, um panorama oposto: com a recessão econômica e a queda no consumo, o país produz mais barris do que consome. O deputado federal Eduardo Cury (PSDB-SP) criticou a condução da política energética e da econômica por parte do governo.

“Isso só está acontecendo porque houve uma queda no consumo. As pessoas estão ficando mais pobres e a recessão chegou aos lares dos brasileiros. É o mesmo que ter dito há algum tempo que não teríamos crise energética. Não vai haver crise porque as pessoas estão consumindo menos”, afirmou.

De acordo com o jornal O Globo desta terça-feira (16), no ano passado, a produção diária de derivados de petróleo subiu 8%. Mas, até novembro, o consumo aparente de derivados e demais combustíveis caiu 7% em relação a 2014. Foi a primeira queda de consumo em pelo menos 10 anos.

O tucano ressaltou a queda do consumo dos brasileiros e a falta de investimentos nesse momento de crise. “O governo do PT quer transformar uma crise criada por eles em algo positivo. O Brasil já tinha atingido a autossuficiência em produção do petróleo. Mas, por incompetência na gestão da Petrobras e pela crise, estão querendo comemorar algo que é ruim para o povo brasileiro”, disse.

2023

Em nota, o Ministério de Minas e Energia informou que o retorno do Brasil à condição de autossuficiência já estava previsto. Ainda de acordo com o jornal, o no ano passado, a pasta projetou que o Brasil permanecerá nesse patamar pelo menos até 2023; passados dois ou três anos, será capaz de exportar mais de 1 milhão de barris/dia. A previsão, porém, não considera o último corte de investimentos da Petrobras.

Na avaliação do deputado, a manutenção da autossuficiência nos próximos anos é mais um reflexo da má gestão do PT e mostra que, sem gerar investimento e desenvolvimento, o país não irá crescer. “Se o Brasil crescesse, faltaria combustível e teríamos que importar derivados. Poderíamos estar em outra situação, investindo e produzindo mais para atender um consumo maior. Mas, na verdade, estamos nos planejando para uma recessão onde as pessoas consomem menos e consequentemente a Petrobras tem que gastar menos”, concluiu.


X
16/02/2016