“Covas dava o exemplo. Cumpria a palavra quando ganhava”

Discurso do presidente nacional do PSDB, em sessão de homenagem a Mario Covas

Acompanhe - 31/03/2011

Discurso do presidente nacional do PSDB, em sessão de homenagem a Mario Covas

“Mario Covas, rigorosamente, foi construtor de uma grande obra administrativa e governamental. Como já foi dito nesta sessão de homenagem, como prefeito e, depois, como governador, produziu um forte ajuste fiscal. Como prefeito, olhou para os mais pobres. Lançou programas que revolucionaram a periferia de São Paulo. Sempre com participação e mobilização. Sempre com a democracia.

Sou um brasileiro que o acompanhou, mesmo quando ainda não estava no PSDB. Vem de lá  um primeiro depoimento: Covas era e foi, na minha geração, um político limpo. Um político que honrava a palavra. Um político que fazia o discurso e, no governo, cumpria o discurso. Nunca se dobrou às pressões. Nem aos modismos. Nem às conveniências conjunturais. Sempre foi estrutural. Firme. Reto.

Sua marca sempre foi o exemplo. O exemplo é, para a democracia nova e para a democracia de maneira geral, muito importante. Covas dava o exemplo. Cumpria a palavra quando ganhava. Ele soube se afirmar e ser democrata. Saber vencer, saber perder, saber reagir, saber enfrentar. Não se curvar. Não se dobrar. Não dobrar a espinha

Nossa história tem uma sucessão de líderes que foram incapazes de manter a espinha erguida, o pescoço afirmado e a cabeça com absoluta firmeza, decidida a cumprir os objetivos que traçaram, objetivos desenvolvidos no ambiente de democracia.

É deplorável a história brasileira nos últimos anos. Muita contradição, muita incoerência, o que produz um ambiente parecido com o que temos hoje: partidos que se quebram, partidos que se dobram, partidos que não se afirmam, como que se qualquer projeto pessoal valesse uma mudança de partido, a mudança de um rumo, de um compromisso assumido. Tudo se justifica, tudo é permitido. E as instituições vão se quebrando, se desautorizando, se desfazendo. Não é essa lição que Mario Covas nos deu. Eles nos deu a lição de firmeza que muitos compreenderam e o PSDB compreende.

É claro que, como qualquer partido, temos dúvidas, contradições, mas é óbvio que temos a mesma linha. Quando fazemos uma campanha e assumimos um governo, a nossa campanha tem muito a ver com o governo que fazemos. E o nosso governo tem muito a ver com que fizemos.

Não seria ainda apropriado dizer que a ação do PSDB é uma só, que é homogênea, que haja uma forma dos tucanos ou dos sociais democratas do PSDB governar. Precisamos chegar nisso.

Mas há uma importante coerência no nosso partido. Olhemos as últimas eleições: ganhamos  em vários Estados e, em vários deles, recuperamos o governo.  Recuperamos o governo porque nossa forma de governar foi reconhecida. E aqueles que ganharam antes voltaram a ganhar  não porque tivessem o vento do poder, ou favorecimentos, ou outro elemento exógeno, mas por conta do que fizeram nos seus Estados, da coerência que representaram.

Está ai, para quem quiser ver, o desempenho do PSDB em São Paulo, com Mario Covas, Franco Montoro, José Serra, Geraldo Alckmin. São muitos anos de governo que representam um compromisso que não foi quebrado. O nosso centro, o nosso foco, deve ser manter esse compromisso, manter a nossa espinha erguida e enfrentar as dificuldades com tranquilidade, firmeza e determinação. Não cedermos às pressões eventuais, conveniências elementares, mas mantermos o nosso rumo, a nossa linha e a nossa determinação. Nenhum outro, entre tantos que representam o PSDB de hoje, teve uma coerência tão firme, tão explícita quanto Mário Covas. No Palácio e na rua, na rua e na imprensa, no Congresso e na administração, no PSDB e na democracia. Seguramente isso nos inspira, e nos inspira muito, essa é a força que nos mantém vivos contra muitas pressões, muitas usurpações.

Eu tenho uma breve vida junto a Mario Covas, outros têm uma vida muito mais larga junto a ele. Por exemplo, José Anibal, Geraldo Alckmin, que cita Covas todas as vezes que fala sobre a democracia no Brasil e de governos sérios. E muitos outros que estão aqui,  governaram com Covas , continuam parlamentares, membros do nosso governo.

O Covas foi um homem que seguiu a democracia do Brasil.  Ele está no núcleo e no centro da nossa resistência. Os tucanos podem dizer, com toda satisfação e orgulho, que são o partido que Mario Covas ajudou a construir, que são o partido que valorizou e sempre valorizará Mario Covas. Ele nos une integralmente. As campanhas que fazemos têm sempre uma inspiração dele, porque é uma inspiração conveniente ao Brasil de hoje, conveniente ao Brasil de sempre.

A inspiração dos homens firmes, dos homens que olham para a frente, dos homens que têm capacidade de combate, que não cedem, que não se acomodam, não se ajustam ou reajustam, mas têm clareza de propósitos, capacidade de resistência. Unidade é o nosso desafio. Trabalhar com os companheiros, respeitar os aliados, unir a todos e caminhar juntos vai nos inspirar seguramente, como nos inspirou no passado e nos inspirará no futuro. Nossa responsabilidade é imensa.

Cumprimos o nosso papel, temos orgulho do que fizemos e do que somos. Continuaremos  orgulhosos dessa nossa posição, com lealdade, com transparência, com firmeza, que sempre demonstramos, não cedemos. Fizemos ontem uma grande campanha, quase ganhamos. Há quatros anos, fizemos outra campanha, tivemos grandes vitórias, mas vamos ter vitórias maiores se seguirmos o exemplo de Mário Covas. Exemplos da coragem, de firmeza,  faltas em grande parte na prática política brasileira, de homens que honram a palavra e cumprem no governo o que prometem nas campanhas.

Quero parabenizar a todos, mas o PSDB de uma maneira especial, por sua contribuição à democracia do Brasil.

Agradeço também  à família Covas e a você, Bruno Covas, pela grande participação, pela grande importância que a Família Covas teve e terá na vida de todos os brasileiros”.


X
31/03/2011