Tucanos referendam a posição do partido na defesa do salário mínimo

Bancada decide apresentar terceira emenda para excluir do projeto artigo sobre crime tributário

Acompanhe - 22/02/2011

Bancada decide apresentar terceira emenda para excluir do projeto artigo sobre crime tributário

Brasília (22) – Os senadores tucanos se reuniram, nesta terça-feira , para referendar a posição do partido na defesa do salário mínimo de R$600,00 e contra a definição da política de reajuste salarial por meio de decreto. Além dessas duas emendas, já protocoladas, a bancada decidiu apresentar outra emenda, excluindo do projeto do governo que reajusta o mínimo o artigo 6, que trata de crime tributário, ou seja, matéria desconexa com o tema salário mínimo. “O governo usou este expediente para furar a fila das medidas provisórias e votar o projeto do salário mínimo antes, mas desrespeitou a legislação (LC 95/98), que proíbe dois objetos diferentes em uma mesma lei”, disse o Líder do PSDB, senador Alvaro Dias(PR).

Segundo o Líder, já há um acordo com as lideranças governistas de que a votação das duas primeiras emendas do PSDB (R$ 600,00 e contra o decreto) será nominal. “Com isso poderemos saber a posição de cada parlamentar”, ressaltou.

Centrais sindicais
Depois da reunião,  Alvaro Dias foi procurado pelo deputado Paulo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical, e por vários representantes das centrais  sindicais. Eles sugeriram uma emenda, que será apresentada pelo PSDB. O texto prevê que o reajuste dos aposentados que ganham acima do salário mínimo será  feita com base na inflação do ano anterior mais 80% do PIB dos dois anos anteriores, ou seja, 80% do reajuste do mínimo. “Já que os aposentados são os que têm maiores perdas, estamos acatando a proposta das centrais e vamos apresentar a emenda”, disse o Líder.


X
22/02/2011