Ligação entre BNDES e empresas citadas na Lava Jato reforça necessidade de CPI, diz Thame

Acompanhe - 02/03/2015

mendes thame foto PSDB na CamaraBrasília – Empresas acusadas de envolvimento no esquema de corrupção descoberto pela operação Lava Jato pediram empréstimos ao Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que envolvem R$ 31 bilhões. O dinheiro é ligado a projetos de infraestrutura de óleo e gás. Os dados foram divulgados pelo jornal O Estado de S. Paulo nesta segunda-feira (2).

O secretário-geral do PSDB, deputado federal Mendes Thame (SP), disse que as informações apontam para a importância da instalação, no Congresso Nacional, de uma CPI que aborde os negócios promovidos pelo BNDES.

“Esses fatos demonstram que, mais do que nunca, a CPI do BNDES precisa ser instalada. Isso é uma constatação de que o dinheiro público está sendo encaminhado com critérios políticos, privilegiando ‘os amigos do rei’”, declarou. Thame cobrou ainda que o banco tenha critérios mais transparentes para a distribuição de recursos.

Deputados e senadores da oposição estão coletando assinaturas para a instalação de uma CPI, que pode envolver Câmara ou Senado ou ser instalada em apenas uma das Casas. O presidente do banco, Luciano Coutinho, chegou a procurar parlamentares da base aliada para tentar conter a instalação da comissão, segundo reportagem da Folha de S. Paulo.

Sete Brasil
Entre as empresas citadas na Lava Jato que foram contempladas com recursos do BNDES está a Sete Brasil, que recebeu R$ 8,8 bilhões. A companhia foi criada pela Petrobras em 2011, para construir equipamentos para a produção do pré-sal, vive situação financeira delicada e teve como um dos seus diretores Pedro Barusco, que é um dos delatores da corrupção na estatal.


X
02/03/2015