EUA impõe sanções à Venezuela em represália a Maduro

Notícias - 28/08/2017

A Venezuela acusa o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de intensificar a crise no governo de Nicolás Maduro. Na semana passada, Trump assinou um decreto aplicando novas novas sanções financeiras ao país, entre as quais a proibição de “negociações em dívida nova e capital emitidas pelo Estado venezuelano” ou pela companhia petrolífera nacional do país. A medida é consequência da ditadura imposta no país vizinho pelo governo Maduro, tradicional aliado dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, que tem levado o país a um caos político e econômico.

Por conta da situação, a presidente da Assembleia Nacional Constituinte (ANC) da Venezuela, a chavista Delcy Rodríguez, afirmou que a Venezuela não tem como pagar alimentos e medicamentos para a população. Para o deputado federal Major Rocha (PSDB-AC), o governo de Maduro caminha para uma guerra civil.

“Infelizmente, a Venezuela está caminhando para uma guerra civil. Por exemplo, se a pessoa morar na Venezuela e tiver um problema de hipertensão, ela está condenada a morrer porque não tem remédio. Mais uma vez, o presidente da Venezuela dá sinais de que ele tem que ser interditado”, disse o tucano.

A presidente da Assembleia Nacional Constituinte (ANC) ainda afirmou que o governo venezuelano prepara uma resposta “recíproca” para um “bloqueio financeiro” americano. O deputado Rocha aponta que a população venezuelana deve ter direito a decidir o destino do país.

“Eu acho que a comunidade internacional tem buscado resolver o problema. A solução não é simples. O Maduro tem que entender que a população venezuelana, a grande maioria, não aceita mais o regime que ele está impondo. Isso aí tem que abrir para que a população venezuelana decida livremente o seu destino.”

Além das restrições financeiras, os Estados Unidos também anunciaram sanções a funcionários venezuelanos, após a instauração da Assembleia Constituinte, que o governo americano e outros países consideram como “ilegítima”. A crise na Venezuela é um dos principais assuntos na imprensa mundial e tem reflexos nos países vizinhos – com o expressivo aumento de venezuelanos cruzando as fronteiras para fugir do regime de Maduro. Somente durante os protestos contra o governo, mais de 120 pessoas foram mortas.


X
28/08/2017