Governo PT: mais metade dos imóveis do MCMV com defeitos

Notícias - 17/08/2017

Infiltrações, trincas, vazamentos, falta de prumo e de esquadros foram algumas das falhas encontradas em mais da metade dos imóveis do Minha Casa Minha Vida vistoriados pelo Ministério da Transparência e pela Controladoria-Geral da União. Em balanço divulgado nesta quarta-feira (16), o governo afirmou ter encontrado pelo menos algum tipo de defeito em 56,4% das construções feitas pelo programa. Os dados são resultado de vistoria feita em 2015, ainda durante o governo de Dilma Rousseff, com a análise de 2166 contratos e 1472 unidades.

Quanto à área externa, quase 20% dos moradores informaram sobre situações de alagamento, falta de iluminação e de pavimentação. Senador pelo PSDB de Santa Catarina, Paulo Bauer, lamenta os transtornos enfrentados pelos beneficiários do programa, resultado da falta de compromisso da gestão petista.

“Nós vamos levar muito tempo para consertar tudo o que se fez de errado e o que se deixou de fazer no Brasil durante o governo petista. Inclusive, essa notícia que se recebe de obras mal feitas, de problemas que surgem no programa Minha Casa, Minha Vida, é mais um assunto para tomar tempo e preocupação de todos nós. Consertar o Brasil é uma obra gigantesca e difícil”, disse o tucano.

Apesar do grande número de defeitos, não foram anunciadas punições pelo então governo petista. O relatório fala de recomendações, como a criação de painéis que permitam observar e avaliar as construtoras com o maior índice de problemas, além das falhas mais comuns nos imóveis, situações de atraso nas obras e locais com maior número de problemas.

Para evitar tais falhas no futuro, Bauer acrescenta que é preciso procurar as empreiteiras responsáveis pelas obras, e deposita confiança nas ações já iniciadas pelo Ministério das Cidades, sob comando do tucano Bruno Araújo.

“Mais difícil ainda é imaginar que as pessoas de boa fé adentraram no programa Minha Casa Minha Vida e agora tem problemas elétricos, hidráulicos, estruturais, que deixam as pessoas com dificuldades e causam desconforto. Isso está incomodando as pessoas. Eu tenho certeza que o Ministério das Cidades vai ter que fazer alguma ação no sentido de reparar esses dados.”

A CGU observou também que a quantidade de unidades habitacionais entregues não resultou em redução efetiva do déficit habitacional, mas colaborou para conter seu avanço. A satisfação dos beneficiários também se mostrou positiva, e o ministério considera que a execução do programa apresenta resultados satisfatórios, com oportunidades de aprimoramento para mitigar as fragilidades identificadas.


X
17/08/2017