Para procuradora Raquel Dodge, não há irregularidades na coligação de Alckmin

Notícias - 29/08/2018

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, se manifestou nesta terça-feira (28) contra a ação do MDB que contesta a coligação formada por PSDB, PTB, PP, PR, DEM, Solidariedade, PPS, PRB e PSD, que apoia o candidato tucano Geraldo Alckmin na corrida ao Palácio do Planalto. Em parecer enviado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Dodge afirma que não houve fraude na formação da aliança. As informações são do site da revista Veja desta semana.

De acordo com a reportagem, o candidato do MDB, Henrique Meirelles, e sua coligação, formada também pelo PHS, apontavam supostas ilegalidades nas atas das convenções partidárias entregues por PRB, DEM, PR, PP, PTB e Solidariedade à Justiça Eleitoral. Na avaliação de Dodge, não há irregularidades na formação da coligação do candidato tucano. A manifestação da procuradora-geral eleitoral atendeu à intimação do ministro Tarcísio Vieira, do TSE.

Em seu parecer, Dodge afirmou que as atas das convenções das legendas aliadas de Alckmin registram o apoio ao PSDB e aos demais que vierem a compor a coligação.

A procuradora destacou ainda que, embora não tenham sido nomeados os partidos de todas as agremiações que fariam parte do arco de alianças, “tal circunstância não gera dúvida alguma sobre a manifestação expressa de vontade, evidenciada nas convenções partidárias, no sentido da união dos partidos ao redor de um candidato único à Presidência da República e para a formação da coligação”.

*Clique aqui para ler a íntegra da matéria.


X
29/08/2018