PF e Procuradoria reabrem inquérito do mensalão contra Lula

Notícias - 10/08/2017

Brasília (DF) – Não bastassem as seis ações penais em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu atualmente, quatro delas no âmbito da Operação Lava Jato, o petista agora é assombrado pelo fantasma de investigações passadas. Isso porque o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal resolveram reabrir um inquérito decorrente do mensalão, para apurar se o ex-presidente participou da negociação de um suposto repasse de US$ 7 milhões da Portugal Telecom para o Partido dos Trabalhadores.

As informações são de reportagem publicada nesta quinta-feira (10) pelo jornal Folha de S. Paulo.

As apurações foram abertas em 2013, a partir de um depoimento do publicitário Marcos Valério, operador do mensalão, e arquivadas em 2015 pela Procuradoria no Distrito Federal. Porém, em nova análise, procuradores do MPF identificaram fatos novos, e pediram o prosseguimento do processo. Vale lembrar que Marcos Valério fechou, em julho deste ano, um acordo de delação premiada com a Polícia Federal de Minas Gerais, que aguarda agora a homologação do Supremo Tribunal Federal (STF).

O deputado estadual João Leite (PSDB-MG) destacou a importância da reabertura das investigações de um dos mais escandalosos esquemas de corrupção que vigoraram durante os 13 anos de gestão petista, o mensalão.

“Acho importante que todas as coisas sejam apuradas, até porque especialmente em Minas Gerais, as campanhas do PT são campanhas milionárias. Agora mesmo, o governador Fernando Pimentel tem suas contas rejeitadas e está processado justamente pelas contas de campanha. E com o ex-presidente Lula é a mesma coisa. Esse poderio econômico que o PT tem, com todas essas possibilidades de utilização de recursos de corrupção, é mais uma desigualdade muito grande em todos os pleitos”, disse o tucano.

O parlamentar criticou ainda a pretensão do ex-presidente Lula de se lançar como candidato à Presidência da República. O petista já foi condenado pelo juiz federal Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão, por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do apartamento tríplex no Guarujá (SP), e deverá ser julgado por crimes cometidos em outros processos.

“Se ele [Lula] realmente puder se candidatar, será o sepultamento da Justiça brasileira nas disputas eleitorais. Se é possível alguém ter contra si tantas denúncias, e ainda assim ser candidato, é a desmoralização total dos pleitos e das instituições”, completou João Leite.


X
10/08/2017