Número de celulares no Brasil supera a população

Acesso à telefonia móvel se deve ao governo do PSDB

Acompanhe - 19/11/2010

Acesso à telefonia móvel se deve ao governo do PSDB

Brasília (19) – Ao quebrar o monopólio das telecomunicações, o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso permitiu a universalização da telefonia celular no Brasil. Uma verdadeira herança bendita que foi deixada ao País , segundo os deputados Luiz Carlos Hauly (PR) e Luiz Paulo Vellozo Lucas (ES), por um governo comprometido com os interesses públicos.

Nessa quinta-feira, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou que o Brasil ultrapassou a marca de um celular por habitante. De acordo com a agência, no Brasil, já são 194,4 milhões de aparelhos celulares para uma população de 193,6 milhões de habitantes. Os números divulgados pela Anatel são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para Hauly, o resultado comprova que o governo tucano estava no caminho certo. Ele afirma que o sucesso das telecomunicações está atrelado a um conjunto de reformas estruturantes realizada no passado: o Plano Real, o saneamento financeiro dos bancos privados e públicos, a renegociação das dívidas dos estados e dos agricultores, a lei de responsabilidade fiscal.

“O conjunto dessas reformas permitiu que o Brasil atingisse um nível de estabilidade nunca observado no País. E o PT, que sempre foi inimigo de todas as propostas, se beneficiou por oito anos”, criticou. Ele lembrou que o PT não deu prosseguimento a outras reformas e não implantou mudanças importantes, como redução da taxa de juros, desoneração da tributação e combate à corrupção.

Com os números anunciados, o País assumiu a oitava posição do ranking mundial, que é liderado pela Rússia com 1,625 celular por habitante. O Brasil – com uma densidade de 1,0044 aparelho por pessoa – está à frente de países como a França (9º lugar), os Estados Unidos (10º), o Japão (11º), o México (14º) e China (18º).

Economista por formação, Luiz Paulo Vellozo Lucas também defendeu o legado “de sucesso deixado pelo ex-presidente Fernando Henrique ao Brasil”. Usando uma declaração do senador eleito Aécio Neves (MG), o deputado enfatizou ao comentar sobre a privatização das telecomunicações: “Quem for contra a privatização, tem que jogar fora o seu celular”.

Vellozo Lucas lembrou que antes da privatização da telefonia, em 1998,  somando telefones fixos e móveis, havia 21,5 milhões de aparelhos habilitados, 13,4 por cada 100 habitantes.

Apesar dos resultados, o deputado criticou as elevadas tarifas pagas pelo usuário. Ele dividiu a privatização em dois momentos. “No primeiro, o caso de sucesso da privatização, atendendo ao interesse público. Em outro, com o PT no poder, as agências reguladoras ficaram paralisadas com o loteamento político, desestimulando a competição e a concorrência.”

Temas relacionados:


X
19/11/2010