PSDB – MS

Imprensa

Em filiação em massa, PSDB recebe Silvio Pitu e mil novos correligionários

O PSDB de Campo Grande filiou Silvio Pitu, ampliando para sete o número de vereadores da capital e realizou ato de assinatura de ficha de mil pessoas, com manifestação de apoio à pré-candidatura do deputado federal Beto Pereira à Prefeitura. Um grande evento ocorreu na noite de segunda-feira (01/04), no ginásio Status, no bairro TV Morena, na Capital.

 

Estiveram presentes na filiação lideranças como o ex-governador de Mato Grosso do Sul e atual presidente estadual do PSDB, Reinaldo Azambuja, o secretário-executivo, Sérgio De Paula, a deputada estadual Mara Caseiro, o deputado federal Geraldo Resende, vereadores de Campo Grande do PSDB e do outros partidos e o senador Nelsinho Trad.

 

Reinaldo enfatizou o trabalho desempenhado por Silvio Pitu como vereador ao acolhê-lo no ninho tucano. O ato de filiar mil pessoas fez o ex-governador recordar 1995, quando se filiou ao PSDB. “Em 29 anos de partido nunca vi tantas filiações ao mesmo tempo”, disse Azambuja. Reinaldo atribuiu os novos correligionários à força da liderança política de Pitu e destacou que sua filiação enriquece o partido, promovendo uma política positiva e colaborativa em benefício da sociedade.

 

A deputada federal Mara Caseiro elogiou o engajamento de Sílvio Pitu em prol de Campo Grande, reconhecendo seu trabalho dedicado e responsável. “Seu trabalho em favor da cidade é notável, realizado com amor e responsabilidade. Estou aqui para recebê-lo no PSDB e valorizar sua contribuição para o partido, em especial para o projeto em benefício de Campo Grande”, frisou Caseiro.

 

Beto Pereira, presidente municipal do PSDB Campo Grande, destacou que o mandato de Silvio Pitu foi construído com muito esforço. “Podemos observar a força que ele construiu através de suas atividades na igreja e com lideranças de todas as regiões de Campo Grande. Foi um esforço contínuo, tijolo por tijolo. A presença dos vereadores reflete o respeito conquistado. Atualmente, o PSDB possui o maior número de vereadores da sua história em Campo Grande. Não se trata apenas de quantidade, mas sim de qualidade”, afirmou Beto.

Reforço de peso

Beto enfatiza que o PSDB ganhou nova tropa, no jargão do futebol, que no evento contou com a presença da torcida organizada do Flamengo, Raça Rubro-Negra. “Hoje, não estamos apenas filiando mais um vereador, mas sim um vereador com conquistas e que mantém proximidade com as pessoas. Estou muito satisfeito com essa filiação e com o apoio de mais de mil pessoas. Cada pessoa que se filia ao PSDB passa a integrar não somente o time de Pitu, mas o time de Beto, o time de Riedel, o time de Reinaldo, e o time do PSDB”, afirmou.

 

Compromisso de gestão

 

Beto declarou que o PSDB possui o melhor plano de governo a oferecer nas eleições de 2024. Ele mencionou que o partido tem uma proposta conceitual com compromisso fiscal, buscando garantir que os investimentos cheguem diretamente à população. Enquanto o estado de Mato Grosso do Sul cresceu 30% nos últimos anos, Campo Grande apresentou uma diminuição de 1,9%, o que representa um retrocesso significativo.

 

“Não podemos ignorar essa realidade, pois reflete em nossas vidas, resultando em uma perda de R$ 30 bilhões e diminuindo a renda per capita dos campo-grandenses. Esses recursos poderiam ser investidos no comércio, no bairro, no lazer, em melhorias para toda comunidade. Precisamos debater e promover um modelo sustentável para Campo Grande do qual possamos nos orgulhar”, pretende resgatar Beto.

 

Silvio Pitu visa, por meio do PSDB, transformar Campo Grande. “Não se trata apenas de um partido, mas sim de uma estrutura e visão para o futuro com projetos audaciosos. Ninguém alcança grandes feitos sozinho; tudo isso é possível com apoiadores. Vamos promover uma política eficaz e lembrar que não estamos isolados, pois contamos com amigos e companheiros para alcançar nossos objetivos.”

Bancada fortalecida e mais filiados

 

Silvio Pitu juntou-se à bancada do PSDB na Câmara dos Vereadores de Campo Grande, composta pelo Professor Juari, Claudinho Serra e os recentes filiados Epaminondas Neto, conhecido como Papy, Dr. Victor Rocha, Zé da Farmácia e William Maksoud.

 

Luís Carlos Rodrigues, conhecido como Makarrão, tecnólogo e gerente da Unidade de Saúde da Família (USF) Jardim Nova Esperança, é um dos apoiadores de Silvio Pitu. A amizade entre ambos começou muito antes da incursão na política e evoluiu para uma parceria de vida.  “Somos amigos de longa data e continuamos trabalhando juntos durante o mandato. Apoiar o projeto de Beto Pereira é seguir o mesmo caminho. Conheço Beto desde a época escolar, e coincidiu de apoiar os dois neste grandioso projeto, um buscando a reeleição como vereador e o outro se lançando como pré-candidato a prefeito de Campo Grande”, afirmou Makarrão.

 

O tenente-coronel Mario Ângelo Ajala, uma figura popular na região de Santo Amaro, expressa sua enorme gratidão a Silvio Pitu, pois o ajudou quando ele se candidatou a vereador por Campo Grande. Os dois concorreram juntos na mesma chapa. “Eu fui quem incentivou Pitu a buscar apoio na igreja. Nas eleições de 2016, Pitu não foi eleito porque meus votos foram anulados, prejudicando sua eleição. Decidi me filiar ao projeto de Beto Pereira, pois vejo isso como uma renovação necessária que Campo Grande precisa”, espera Ajala.

 

A janela partidária para que é vereador fecha sexta-feira (05/04) é o mesmo período para filiação.

 

Viúva e filho de Jair Boni endossam apoio à reeleição de Valdecy Pereira em Cassilândia

Em um ato de simbolismo e união em prol do futuro de Cassilândia, a viúva do ex-prefeito Jair Boni, Claudete Dosso Boni, e o filho de Jair, Fábio Boni Congo, declararam apoio à pré-candidatura à reeleição do atual prefeito, Valdecy Nogueira (PSDB), durante evento realizado nesta segunda-feira (1º).

O gesto representa a perpetuação dos valores e ideais que nortearam a trajetória política de Jair Boni, que faleceu em maio de 2022, durante seu quinto mandato como prefeito. Em Valdecy, que era seu vice-prefeito, Claudete e Fábio reconhecem a capacidade de liderança e compromisso com o desenvolvimento de Cassilândia.

“Jair sempre acreditou em Valdecy e no potencial que ele tem para conduzir nossa cidade a um futuro ainda mais próspero. Ao declararmos nosso apoio à sua reeleição, estamos honrando a memória de Jair e assegurando que seus projetos e sonhos para Cassilândia continuem a ser realizados”, salientou Claudete.

Fábio Boni Cogo reforçou a importância da união em prol do bem-estar da população. “Meu pai sempre colocou o povo de Cassilândia em primeiro lugar. Ao lado de Valdecy, podemos continuar construindo uma cidade cada vez mais justa, humana e com oportunidades para todos”, destacou.

Aclamado por lideranças políticas e pela comunidade, Valdecy Nogueira agradeceu o apoio da família Boni e se emocionou ao recordar a trajetória de Jair Boni. “Jair foi um grande mentor e amigo. Sua partida deixou um vazio imenso, mas sua memória e seus ensinamentos continuarão a nos inspirar. Assumo o compromisso de honrar sua história e trabalhar incansavelmente para fazer de Cassilândia uma cidade ainda melhor para todos”, declarou Valdecy.

PSDB de Mato Grosso do Sul realiza um dos maiores encontros de lideranças tucanas femininas

Com a presença de diversas lideranças do partido, o PSDB de Mato Grosso do Sul realiza no dia 22, em Dourados, o Encontro PSDB Mulheres 2024, que tem como tema “Protagonismo da mulher na política”. O evento acontecerá no Auditório da Associação Comercial e Empresarial de Dourados (ACED), a partir das 18h.

Já confirmaram presença a presidente do PSDB Mulheres Nacional e prefeita de Palmas, no Tocantins, Cinthia Ribeiro, a presidente do Tucanafro Nacional, Gabriela Cruz, a primeira-dama do Mato Grosso do Sul, Monica Riedel, além de Fátima Azambuja, ex primeira-dama do estado, da ex-senadora e presidente de honra do PSDB Mulher estadual, Marisa Serrano e da deputada estadual Mara Caseiro.

Para a presidente do PSDB Mulher de Mato Grosso do Sul e organizadora do evento, Lia Nogueira, o evento servirá para debater o protagonismo feminino na política. A parlamentar entende que, apesar de todos os avanços, ainda há muito para ser conquistado e muitos espaços a serem ocupados pelas representantes mulheres dos partidos políticos em todo Brasil.

“É fundamental reconhecer a relevância da presença feminina na política, pois traz perspectivas diversas e enriquece o debate democrático. Vamos promover diálogos abertos para discutir e fortalecer o papel das mulheres, garantindo uma representação mais equitativa e efetiva na construção das políticas públicas”, contextualizou Lia Nogueira.

A presidente estadual reforçou o convite para que as mulheres compareçam e, assim, somem forças para aumentar a participação feminina nos próximos pleitos, aprimorando a qualidade da democracia e um ambiente mais diverso e representativo em prol do bem-estar de toda a população estadual.

“Nosso foco agora são os atos de filiação, não estamos fechado com nenhum partido”, afirma Reinaldo Azambuja

O presidente estadual do PSDB de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, afirma que não há nenhuma aliança partidária definida.

“Não estamos fechados com nenhum partido nem em Campo Garnde nem em qualquer outro município do Estado”.

Ao ser indagado sobre apoios partidários durante a posse do deputado estadual Paulo Duarte, na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (05),  Reinaldo afirmou que há conversas, mas ainda sem uma definição.

“Há conversas com diversos partidos, entre eles PSB e PSD, mas há também com Republicanos, PDT e outros, mas reforço que não fechamos nenhum apoio com Beto ou qualquer outro pré-candidato tucano no Estado porque nosso foco são os atos de filiação”.

Com a vinda de nomes importantes para o ninho desde o início de fevereiro, o PSDB intensificará os atos de filiação durante o período da Janela Partidária, de 7 de março a 5 de abril.

 

“No dia 15 de março, em Dourados, realizaremos o ato de filiação do ex-deputado  Marçal Filho. Teremos também a vinda do prefeito Marcelo Pé, de Antônio João, além de lideranças importantes no que serão nossos pré-candidatos a prefeitos, vice-prefeitos e vereadores”.

Atualmente, o PSDB de Mato Grosso do Sul está com 50 prefeitos, 18 vice-prefeitos, 246 vereadores, seis deputados estaduais, três deputados federais, além do governador Eduardo Riedel.

Reinaldo é homenageado na Câmara Federal com a Medalha Mérito Legislativo

Nesta quarta-feira (07), o presidente estadual do PSDB de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja recebeu a Medalha Mérito Legislativo da Câmara Federal em Brasília.

Criada em 1983, a Medalha Mérito Legislativo destina-se a condecorar autoridades, personalidades, instituições ou entidades, campanhas, programas ou movimentos de cunho social, civil ou militar, nacionais ou estrangeiros, que tenham prestado serviços relevantes ao Poder Legislativo ou ao Brasil. A premiação reconhece pessoas ou instituições que tenham prestado ao Poder Legislativo

Além do homenageado, o evento contou com a presença do governador Eduardo Riedel, dos deputados federais do Estado, Beto Pereira, Dagoberto Nogueira e Geraldo Resende e o secretário Sérgio de Paula.

Emocionado, Reinaldo agradeceu pela homenagem em suas redes sociais.

“É com imensa gratidão e honra que recebo a Medalha do mérito Legislativo, concedida pela Câmara dos Deputados. Este reconhecimento é um reflexo do compromisso e da dedicação de toda uma equipe, que ao longo de duas gestões no Governo do Estado, trabalhou incansavelmente em prol de Mato Grosso do Sul. Agradeço também pela companhia e apoio da nossa gente, que foram fundamentais para enfrentarmos e realizarmos mudanças significativas. Para mim, política se faz com companheirismo e diálogo, valores que sempre norteiam nossa administração. Seguiremos firmes, construindo juntos um futuro melhor para o nosso Estado. Muito obrigado.”

Ao longo dos seus 27 anos de vida pública, Reinaldo Azambuja iniciou, em 1997, sua jornada como prefeito de Maracaju, onde permaneceu por dois mandatos. Foi eleito deputado estadual, deputado federal e governador do Estado eleito e reeleito, finalizando sua gestão em 2022. Realizou um marco na história sul-mato-grossense ao eleger Eduardo Riedel, seu sucessor partidário. Atualmente é o presidente estadual do PSDB de Mato Grosso do Sul, onde, proporcionalmente tem o maior número de representantes tucanos do país, com 50 prefeitos, 243 vereadores, seis deputados federais, além do governo do Estado.

Na Capital, Marconi Perillo fala sobre fortalecer o PSDB

O presidente Nacional do PSDB, Marconi Perillo veio a Campo Grande nesta terça-feira (06), para falar sobre o fortalecimento do partido e as eleições deste ano.

“Mato Grosso do Sul é uma referência para nós em fortalecimento, por isso foi o segundo Estado que viemos, logo depois do Rio Grande do Sul, onde temos nosso candidato”.

Durante coletiva, Perillo relembrou o legado do PSDB e reforçou sobre a importância do fortalecimento partidário com candidaturas próprias tanto no país quanto nas capitais.

“O PSDB tem um legado na história política do nosso país. Fomos  responsáveis pelo combate à inflação e a Lei de Responsabilidade Fiscal, por isso a importância de voltarmos ao protagonismo. Temos nomes fortes para disputar candidaturas. O governador Eduardo Leite será o nosso candidato a presidente do país e, aqui em Campo Grande, temos o deputado Beto Pereira, que não tenho dúvidas de que chegará a prefeitura de Campo Grande”.

O presidente estadual, Reinaldo Azambuja, agradeceu a presença das lideranças e disse que as candidaturas municipais estão sendo respeitadas de acordo com a característica. “O tamanho do PSDB de Mato Grosso do Sul é o resultado da construção de todos”.

PSDB de Mato de Mato Grosso do Sul é o maior do país, com 50 prefeitos, 17 vice-prefeitos, 243 vereadores, seis deputados estaduais, três deputados federais e o governador Eduardo Riedel.

Austeridade de menos é o caminho para o abismo

Gastar mais do que ganha nunca deu certo em nenhuma família, empresa ou governo. A História mostra isso

Por Marconi Perillo, Reinaldo Azambuja e Aécio Neves

Jornal O Globo

 

Recentemente o PT, partido do presidente da República, divulgou um documento em que faz críticas ao que eles chamam de “austericídio fiscal”. Uma crítica à política fiscal da área econômica do governo de buscar o déficit zero nas contas públicas.

O PT já é bem grandinho, vai fazer 44 anos, e é incrível como não aprendeu nada nesse tempo. Todas as vezes em que o partido decidiu discutir política econômica, errou gravemente. Nem sempre a maturidade traz sabedoria.

A crítica do partido do governo é que o governo dele mesmo gasta pouco. Não é o que dizem os números.

O rombo nas contas públicas de 2023 foi de R$ 119,6 bilhões de janeiro a novembro do ano passado. Pode parecer pouco considerando que o Orçamento total foi de R$ 5,3 trilhões, mas vamos ver por outro ângulo. Esse dado significa que o governo federal gastou em 2023 mais que os governos de Goiás, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal — onde vivem cerca de 12 milhões de pessoas — arrecadarão juntos em 2024.

Como se vê, o problema do governo não é “austericídio”, como pensa o PT. É que lhe falta austeridade, lhe falta responsabilidade com as contas públicas para poder oferecer programas sociais sustentáveis. Gastar desenfreadamente, como o governo faz, e o PT acha pouco, é caminho certo para o abismo.

Atender às necessidades do Brasil é necessário, mas precisa ser com responsabilidade, coisa que parece andar em desuso.

Gastar mais do que ganha nunca deu certo em nenhuma família, empresa ou governo. A História mostra isso, no Brasil e em outros países. A Argentina está aqui perto para não nos deixar esquecer.

Quem acha que responsabilidade fiscal é “austericídio” precisa entender que orçamento tem duas colunas: uma é a das receitas, que vem dos impostos pagos pelos brasileiros; outra é a das despesas, de responsabilidade em grande medida do próprio governo. Aumentar impostos, onerando ainda mais a sociedade, é a pior das soluções. Para equilibrar as duas colunas, é preciso coragem para reduzir despesas. Não é uma medida popular, mas um governante precisa ser responsável em primeiro lugar, para só depois pensar em popularidade.

A história do PSDB nos respalda e nos credencia para falar sobre responsabilidade fiscal com sensibilidade social. O Brasil não se esquece disso. Pesquisa de dezembro do instituto Ipespe, encomendada pela Federação Brasileira de Bancos, mostrou que 77% dos brasileiros reconhecem o Plano Real como uma das políticas públicas mais importantes da nossa História. O Plano Real se transformou no maior programa de inclusão econômica do país, talvez do mundo, ao estabilizar a economia e acabar com o imposto que mais castigava e empobrecia os brasileiros: a inflação. Foi Fernando Henrique Cardoso quem idealizou, coordenou, implantou e garantiu a perpetuidade do Plano Real e da estabilidade econômica no Brasil, primeiro como ministro da Fazenda no governo Itamar Franco, depois como presidente da República. De quebra, ainda criou a Lei de Responsabilidade Fiscal, para garantir que o respeito às contas públicas passasse a ser obrigatório em todas as esferas de governo.

O primeiro governo do PT só foi bem-sucedido na economia porque manteve a política macroeconômica do PSDB. A bem da verdade, o PT sempre trabalhou contra políticas de responsabilidade, como a própria Lei de Responsabilidade Fiscal, o Fundef e, pasme, até mesmo o Plano Real.

O PSDB é pioneiro na implantação de programas sociais e de distribuição de renda. Em 1995, o tucano Magalhães Teixeira, histórico prefeito de Campinas (SP), foi o primeiro a vincular um benefício financeiro à manutenção das crianças na escola. Desde 1985, quando o PSDB foi fundado, todos os governos tiveram a responsabilidade social e a responsabilidade fiscal como prioridades.

Quanto mais responsabilidade com o dinheiro público, mais condição de promover distribuição de renda e desenvolvimento social. Defender a gastança é populismo barato que acabará custando caro para todos nós, brasileiros.

*Marconi Perillo, presidente nacional do PSDB, foi governador de Goiás e senador, Reinaldo Azambuja, tesoureiro nacional do PSDB, foi governador de Mato Grosso do Sul, Aécio Neves, presidente do Instituto Teotônio Vilela e deputado federal, foi governador de Minas Gerais

PSDB defende prioridade à primeira infância para salvar o Brasil

“Se o Brasil salvar uma geração, essa geração salva o Brasil”. Para que o país tenha um futuro digno precisamos que o governo federal de fato priorize nossas crianças. Um grupo de trabalho da primeira infância formado no “Conselhão” apresentou propostas para que o governo federal priorize nossas crianças em 2024. São propostas simples, possíveis de serem executadas, que foram listadas pela Priscila Cruz, presidente-executiva do Todos Pela Educação, em artigo recente no “Estadão”.

Fato é que o governo não tem dado prioridade à primeira infância. Não deu continuidade ao programa Criança Feliz, de visitação domiciliar para a primeira infância, que, apesar do baixíssimo investimento, era um caminho correto a ser seguido. Mesmo o Compromisso Nacional Criança Alfabetizada, lançado pelo atual governo, tem orçamento pífio.

O caminho apontado pela Priscila Cruz é o correto: redobrar a aposta e os investimentos na infância para salvarmos uma geração inteira de brasileiros que salvará o Brasil. O PSDB também se dedica ao tema e acabou de criar um Grupo de Trabalho para a Primeira Infância. Vamos apresentar propostas para o Brasil e para os nossos pequenos brasileiros. PSDB é, e será cada vez mais, o Partido da Educação.

Marconi Perillopresidente nacional do PSDB
Pedro Cunha Limaex-deputado federal, autor da PEC da Nova Educação, e coordenador do GT da Primeira Infância do PSDB

O caminho é pelo centro: o exemplo do Chile

Desde 2019, o nosso vizinho Chile vive uma crise política intensa. Centenas de milhares de chilenos foram às ruas exigir reformas em 2019 e o país elegeu, em 2021, o esquerdista Gabriel Boric para presidente. Então a esquerda escreveu uma nova Constituição que acabou rejeitada em plebiscito em 2022.
Aí foi a vez da extrema direita escrever uma Constituição ao seu gosto. Que um novo plebiscito também rejeitou, agora no final de 2023.
O exemplo do Chile mostra que a população —e isso vale para qualquer povo, em qualquer país— quer comida na mesa, emprego, educação, saúde e qualidade de vida. O povo nunca quer saber de extremos. A atual Constituição chilena foi promulgada durante a ditadura de Pinochet. Não se trata, portanto, apenas de apagar o passado lamentável de um regime que torturava e matava, onde não havia liberdade para as pessoas. Trata-se, também, de encontrar o caminho do equilíbrio e dos avanços sociais e civilizatórios.
O exemplo do Chile nos mostra que o caminho da política é pelo centro. Nem à esquerda, nem à direita, mas à frente, com liberdade, estabilidade econômica, desenvolvimento e responsabilidade social.
Este é o caminho que o PSDB persegue desde sua fundação. Que os alicerces para a retomada do caminho correto, ao centro, longe dos extremos e perto da vontade do povo, sejam construídos já em 2024. Seja no Chile, no Brasil, ou em qualquer outra parte do planeta. Vamos à luta, sempre!

Marconi Perillo, presidente nacional do PSDB

Tudo pela democracia

Não aceitamos menos que democracia plena, total e irrestrita. O único regime possível e aceitável para o Brasil é o regime democrático. Divergências são esperadas na democracia. O que não desejamos e não toleramos é violência contra quem pensa diferente, muito menos violência contra as nossas instituições de Estado, tão duramente construídas por nossa jovem democracia.

Marconi Perillo
Presidente nacional do PSDB