Imprensa - 23/07/2014

Sandra Quezado; PSDB-Mulher DF entra na disputa por uma vaga no Senado Federal

Foto (1)Brasília (DF) – Sandra Quezado resolveu sair dos bastidores da política, onde atuou durante mais de vinte anos, na assessoria jurídica do PSDB na Câmara dos Deputados. Tanto tempo dedicado ao aprimoramento de leis que, hoje, beneficiam a população, fizeram com que a decisão de Sandra deixasse órfãos os políticos com quem trabalhou. Perdem os deputados federais do PSDB, ganha Brasília, que a partir de agora tem a oportunidade de colocar essa leonina doce no Senado Federal.

Advogada, humanista, carioca, casada e com três filhos já adultos, Sandra Quezado concorre ao Senado Federal com o número 456 e está prontinha para se dedicar integralmente a representar a cidade que adotou e por quem é apaixonada, e fazer muito pelas mulheres que moram nela.

 PSDB-Mulher Nacional – Como está sendo a sua transição para a vida pública? O que a levou a se decidir a disputar uma vaga?

Sandra – Na realidade, a primeira decisão foi do partido. O PSDB me fez o convite após concluir que a disputa pelo cargo, por uma candidata mulher, estaria afinada com a proposta de mudança de verdade do Aécio Neves para o Brasil e de Luiz Pitiman para o Distrito Federal. Honrada com o convite, vislumbrei a possibilidade de contribuir com a causa feminina e aí… aceitei.  A repercussão da candidatura da “mulher senadora” foi recebida de forma tão positiva pela  população que estou completamente engajada na campanha, levando a mensagem de que o Distrito Federal pode, sim, ter uma senadora.

PSDB-Mulher Nacional – Enquanto a Câmara dos Deputados é a casa do povo, o Senado Federal representa os estados da Federação. O que você acha que pode ser feito para melhorar Brasília?

Sandra  Brasília está com 54 anos. O orçamento total de Brasília em 2013 foi de R$ 29,6 bilhões o que significa um  dos maiores orçamentos per capita do país. Mas, as estatísticas mostram Brasília como a campeã da desigualdade. Trabalhar para reduzir esses índices e aumentar a qualidade de vida para todas as pessoas que moram na Capital é dever de todos os representantes políticos que forem eleitos em outubro deste ano.

PSDB-Mulher Nacional – Nós, mulheres, somos maioria tanto na população brasileira quanto no eleitorado, mas estamos em franca minoria na classe política. Por que essa distorção?

Sandra – Ainda hoje lutamos contra o fator cultural que  nos leva a acreditar que política é competência dos homens. Apesar de ser uma conquista passo a passo, o cenário hoje é melhor do que já foi algum tempo atrás. Basta ver que nem todos os partidos conseguiram preencher a cota de mulheres que deveriam registrar junto à Justiça Eleitoral. O PSDB conseguiu, porque através do PSDB-Mulher vem investindo em preparar as mulheres para atuarem em todos os setores da vida pública.

PSDB-Mulher Nacional –  Qual a maior dificuldade que as mulheres enfrentam ao entrar na vida pública?

Sandra – Penso que ultrapassadas as dificuldades de acesso, se as mulheres demonstram competência, elas atuam em igualdade de condições.

PSDB-Mulher Nacional – Quais são as suas principais bandeiras? O que pretende fazer quando chegar ao Senado Federal?

Sandra – Tenho grande preocupação com a segurança pública, a educação em tempo integral das crianças, os portadores de necessidades especiais e a saúde pública. Sonho com o dia em que Brasília será referência no atendimento à saúde da mulher, onde ela possa ser atendida numa consulta e, se necessário, encaminhada para o exame no mesmo dia. E, em caso de diagnóstico grave, que o tratamento seja imediatamente agendado. Quem tem um orçamento de primeiro mundo, tem que ter um serviço de saúde equivalente.

X
05/04/2021